Espanha cai para Portugal (9-10) e um lugar na final será disputado contra a França

De uma forma incrível, a Espanha deixou escapar a vitória sobre Portugal no clássico do hóquei em patins por excelência (9-10). A vitória, que tinha nas mãos até jogar tudo fora num final infeliz, teria dado à equipa liderada por Guillem Cabestany um lugar seguro na final do Europeu de Paredes, mas a equipa da casa, a dois minutos do a conclusão perdeu por 9 a 7, ele voltou com três gols em poucos segundos graças à sua fé e, é preciso dizer, à permissividade da arbitragem, que impediu que o organizador do campeonato ficasse fora de qualquer opção estar na final. Portugal, apesar da sua agressividade, sofreu apenas duas faltas em toda a segunda parte e não falhou nas duas grandes penalidades e na direta com que foi apresentada pelos árbitros apesar dos protestos espanhóis.

Se a Espanha tivesse vencido, a final já teria seus dois protagonistas, Espanha e França. Agora, Portugal, que joga esta sexta-feira contra Andorra, tem números suficientes para chegar a um dos dois primeiros lugares graças à média no caso de arriscar um empate triplo, que virá se a Espanha vencer os gauleses (19,30). Nesse caso, com os três empatados em 10 pontos, é provável que sejam os franceses que fiquem de fora da final. Se a Espanha empatar ou perder e Portugal, como esperado, golear Andorra, serão os espanhóis que serão rebaixados para a partida pelo terceiro lugar.

Barroso (3 gols), com uma partida muito completa, e Bargalló (4 gols), além do trabalho fenomenal de Panadero para enxugar o diabólico Gonçalo Alves, foram fundamentais nos melhores momentos da Espanha, embora tenham mostrado alguma fragilidade defensiva e concedido brindes como como os dois primeiros golos dos portugueses.

O jogo foi um constante sobe e desce, a um ritmo muito elevado e com parciais que colocaram sucessivamente as duas equipas em jogo: os três golos seguidos que remataram Portugal (2-4), os quatro consecutivos da Espanha no a cavalo entre os dois tempos (6-4), e o último conjunto de três golos com os quais Portugal assinou uma vitória incrível. E tudo isso com a Espanha quase sempre no placar no segundo tempo, sofrendo uma arbitragem bastante hostil que manteve Portugal com apenas duas faltas em todo o segundo tempo, e cometendo alguns erros que acordaram Portugal quando parecia que não tinha opção .

A França dos irmãos Di Benedetto (19h30) será o inimigo que a Espanha deve derrotar esta sexta-feira para estar na final.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.