Ela é argentina, vive em Portugal: “As oportunidades são infinitas”

Eva nasceu em Córdoba. Ele deixou a Argentina há vários anos com a ideia de viajar até encontrar “seu lugar no mundo”. Em 2016 formou-se designer gráfica; solicitou um visto Férias de trabalho para a Austrália e foi embora sem saber se voltaria. “Embora minha experiência tenha sido incrível, eu precisava conhecer mais lugares“, conta ao iProfesional. No ano seguinte, estava morando em México, Itália e Alemanha, e em 2018 voltou à Argentina para tirar visto Feriado do trabalho de Portugal e tentar estabelecer-se lá. E é aí que ela mora desde abril de 2019.

Naquela época, para a jovem, os motivos que a levaram a tomar a decisão de sair não foram econômicos. “Dentro Argentina foi bom nesse sentido”, diz. “Mas em 2012 fiz um intercâmbio na Madri S O que mais gostei de morar lá foi a segurança e tranquilidade. Eu queria voltar a viver em um lugar onde me sentisse segura. Na Argentina fui assaltado várias vezes, fiquei paranóico, minha casa foi assaltada uma vez e daí sempre tive medo. Isso não acontece com você na Europa, você não vive com aquela sensação constante de que alguém pode estar te seguindo.”

Embora Eva já tivesse visitado Portugal em 2012, não havia atraído muita atenção. “Quando comecei a pesquisar possíveis destinos para morar na Europa, eu queria um lugar onde eu pudesse aprender o idioma com facilidade e a cultura fosse parecida com a nossa. minha experiência em Alemanha e Austrália eram bons, mas senti que nunca ia me sentir parte da sociedade e me adaptar aos costumes culturais, muito menos aprender alemão, mesmo que tentasse”.

A importância de obter residência

Então ele começou a investigar os países com os quais Argentina tinha acordo Feriado do trabalho (tipo de visto que permite trabalhar por 1 ano naquele país) e entre as opções estava Portugal. “Já falava um pouco de português do Brasil, porque já estudei por um tempo. E falando com meninos que já estavam em Portugal, um me disse que havia a possibilidade de obter o casa quando estiver em Portugal e conseguir um emprego. Não havia necessidade de solicitar nenhum visto ou ser descendente de europeus e depois de 5 anos eles lhe deram o cidadania portuguesa“, detalhes.

E acrescenta: “Não hesitei e candidatei-me ao Visto de trabalho para férias em portuguêsembora eu pudesse ir como turista, e fazer o mesmo, mas preferia ter um visto que me permite ser legal por um ano e depois decidir se devo solicitar a residência”.

Eve solicitou o visto Working Holiday em Portugal e depois solicitou residência

Morar em outro país: o primeiro passo é chegar ao seu destino

o dia em que ele veio Lisboa, a jovem estilista pegou um táxi no aeroporto e enquanto caminhava pela cidade sentiu que queria ficar e morar lá. “Eu me senti em casa, senti que tinha que fazer tudo ao meu alcance para ficar”, lembra ela. “Portugal Ele me recebeu bem desde o primeiro dia, as coisas correram muito bem para mim, documentaçãotrabalho, casa, amigos, definitivamente encontrei meu lugar no mundo.”

O primeiro passo foi o documentação. “Dentro Portugal a burocracia pode ser uma dor de cabeça, então você tem que se armar de paciência, estudar o que tem que fazer bem, conversar com quem sabe, se aconselhar ou procurar um gerente”, diz.

E continua: “Para trabalhar, o mais importante é obter o NIF, equivalente ao nosso Corte na Argentina. Para fazê-lo sendo um estrangeiro, você precisa de um representante fiscal, que pode ser qualquer residente ou cidadão. No meu caso, procurei um Gerente, pois não conhecia ninguém que pudesse ser meu representante. Aí você tem que processar o NISS (número de identificação do seguro social), que hoje é bem mais simples do que quando cheguei. É realizado pessoalmente em um escritório Seguro Social com seu passaporte e NIF, e então você pode começar a procurar trabalho”.

Um especialista em oportunidades em Portugal

Desde que ele saiu Argentina, Eve sempre trabalhou com turismo, “principalmente porque falo vários idiomas. Nunca procurei trabalhar em design gráfico, embora sempre continuasse desenhando para a família, amigos ou coisas minhas”, diz. quando ela saiu Argentina Ele criou um blog de viagens onde escreveu sobre os destinos que visitou.

Véspera

Eve agora vive em Portugal, embora confesse sentir falta de alguns aspectos de viver na Argentina

“Ao chegar em Portugal, escrevi sobre as 7 razões que me levaram a viver naquele país”, diz. “Comecei a receber tantos comentários como nunca antes. Todos estavam interessados ​​na facilidade de emigrar para este país. Então resolvi despejar o conteúdo do blog para explicar como fazer tudo. eu criei um guia gratuito porque eu queria que todos soubessem dessa oportunidade. Eu comecei a receber consultas, pessoas que queriam que eu os aconselhasse ou lhes falasse mais sobre Portugal e muitos que chegavam perguntavam-me se eu podia ajudá-los a processar o NIF”.

Assim começou a trabalhar com dois gerentes que já tinham experiência nisso. Além dessa agência, ele também dava consultorias e passou a ter renda através do marketing de afiliados com outras empresas. “Começou a correr muito melhor do que eu imaginava. É incrível quantas pessoas querem sair do paíssim Pessoas que parecem ‘ter tudo’, mas ainda buscam uma melhor qualidade de vida. Famílias inteiras que estão dispostas a vender tudo para ir em busca de algo melhor”, diz.

O que ele está fazendo agora em Portugal?

Hoje Eva se dedica 100% para consultorias e a gestão do NIF para estrangeiros. “Tenho clientes de todo o mundo, embora a maioria deles sejam latinos.”

Conforme detalhado, a empreender, a principal barreira era a residência. “Dentro Portugal você pode abrir uma empresa sem ser residente, apenas com NIF. No entanto, algumas coisas são complicadas para você, por exemplo, você não pode trocar sua carteira de motorista, então isso limita muito você se seu trabalho depender de mobilidade, também pode ser mais complicado obter um aluguel e, obviamente, impossível obter um crédito sem ser residente”, detalha.

xxxx

Ele escolheu trabalhar digitalmente para ter a liberdade de se mover e trabalhar de qualquer lugar

E continua: “No meu caso, no começo eu tive a ideia de abrir um pequeno café, algo com doces argentinos. Então eu vi isso como um empecilho. queria ter a liberdade de se movimentar e trabalhar em qualquer lugar, por isso dei prioridade ao digital”.

Assim que você conseguir casa, Aproximadamente um ano e meio depois de chegar, “você vê que em um certo aspecto tudo é ‘mais fácil'”, sustenta. “Outra barreira (não tão grande) que encontrei foi o idioma, mesmo já tendo conhecimento, sentia que as pessoas não iam me levar ‘a sério’ se eu não falasse bem português. aulas de português solteiros e foi minha melhor decisão. Meu professor me ajudou com tudo, inclusive meus projetos. Eu precisava escrever e-mails para empresas interessadas em uma colaboração por meio do marketing de afiliados.”

E acrescenta: “Meu professor me ajudou em tudo, ele também me ensinou muitas coisas sobre cultura portuguesa, coisas importantes que se deve saber para melhor se encaixar na sociedade.

Em contrapartida, “os benefícios de empreender em Portugal são principalmente que, embora os impostos sejam altos, o governo dá muito apoio para quem quer abrir um negócio. Existem muitas opções de crédito que valem a pena considerar. Portugal É a capital europeia das startups. e aqui tem muitas incubadoras principalmente para quem tem projeto tecnológico“, diz. “E como os portugueses não se atrevem a muitas coisas, e não são tão atrevidos como nós, há muitas oportunidades, itens que não são explorados. Então, nesse sentido, temos um vantagem começar aqui”.

Além de seu trabalho atual, A Eve está desenvolvendo um projeto voltado para quem quer empreender em Portugal. “Ele está a fazer cursos, a consultar profissionais e a entrevistar empresários, para poder divulgar as oportunidades, explicar passo a passo como criar uma empresa. Em Portugal os salários são bastante baixos (hoje 705 euros), e embora se possa viver com isso , você não pode projetar muito, nem pensar em viver em um aposentadoria. Por isso resolvi empreender e sempre procuro incentivar quem quer vir, que se gosta de empreender, procure fazer aqui também, as oportunidades são infinitas”.

c

Eve acredita que os argentinos têm muitos elementos a seu favor, incluindo resiliência

Segundo a jovem, “nós argentinos temos muitas coisas a nosso favor, principalmente que, resiliência, a capacidade de se adaptar a tudo e somos muito engenhosos e criativos. Tudo que você precisa é abrir mais a cabeça. Você tem que conhecer mais culturas, ouvir outras opiniões, ver como as pessoas vivem em outros lugares. Isso nos ajuda a perceber que se pode ser melhor se quisermos, mas também a reconhecer que nós, argentinos, temos sorte de ter nascido lá. Existem países e culturas que sofrem de muitas coisas que nós não sofremos.”

Voltar para a Argentina?

Eva ama ArgentinaNa verdade, antes de ir Portugal pensou em voltar e abrir um negócio. “Tinha até o plano de negócios, as logomarcas e toda a identidade”, conta. “Mas quando fui visitá-lo, todo o desejo me deixou. Já não sinto que posso projetar um futuro lá, pelo menos nesta idade.”

Embora não goste de se arrepender de nada, sente que perdeu muitos anos no faculdade para ter uma licenciatura, “quando poderia tê-la dedicado a ter experiências no estrangeiro ou a fazer vários cursos onde com certeza aprenderia a mesma coisa em menos tempo. Não acredito mais no que dizem que sem título você não é ninguém. Você não é ninguém se não tiver um objetivo na vida, algo pelo qual você é apaixonado, conhecimento e experiências para contar e algo que você pode contribuir para a sociedade ou para o seu círculo. é isso que nos dá identidade, não um título. Olho, sim reconheço a importância de estudar, ler, estar informada”, esclarece.

Emigrar segundo ela, “envolve ser corajosa e paciente, mas principalmente, fazer amizade com a solidão. Corajoso porque você vai ter momentos difíceis, onde você se sente perdido, onde você se sente discriminado por ser de outro país ou não falar bem o idioma. Paciente porque nem tudo vem assim que você quer. Tem que confiar no tempo, tem que saber que emigrar é um processo, nem tudo acontece da noite para o dia: um bom emprego, uma boa casa, um grupo de amigos que são como sua família, documentação. Tudo isso é construído aos poucos e você tem que aproveitar a jornada.”

Ele sacrificou tempo de qualidade com quem ama: sua família. “Sinto falta de passar um almoço de domingo, alguns amigos, aniversários e datas especiais. Eu sacrifiquei o conforto. Dentro Argentina Eu tinha minha casa e meu carro. Hoje tenho carro, mas divido a casa com outra menina porque ela ainda não tem o suficiente, mas confio que isso é temporário e como disse antes, tudo vem no seu tempo”, expressa. “Ela também é a conforto de falar a sua língua. Todos os meus amigos aqui são latinos, porque me sinto mais à vontade, embora hoje eu fale Português muito bem, não há nada como fazer uma piada e ser compreendido”.

Em troca, ganhou estabilidade. “Sei que o que ganho hoje vale o mesmo em um ano e em dois também. Posso projetar um futuro. Ganhei segurança e tranquilidade. Adoro sair sozinha, aliás, gosto muito de caminhar sozinha em qualquer tempo, viajando sozinho. Para mim isso não tem preço e não trocaria por nada. Tornei-me mais forte, mais resiliente e mais paciente. Aprendi muitas coisas com muitas pessoas também. Emigrar é uma experiência que muda você para sempre. E eu acho este quando quem emigra diz que sente saudades Argentina, significa que você sente falta dos bons momentos com seu povo, você perde o sentimento de pertencimento e certos costumes culturais. ninguém sente falta morar na argentinatodos gostaríamos de viver em outro país, mas poder ir de visita a Argentina quando se surpreende, ou quando ‘a saudade bate’, como dizem os portugueses”.

Raven Carlson

"Viciado em bacon apaixonado. Ninja orgulhoso da cultura pop. Analista irritantemente humilde. Entusiasta de TV. Fã de viagens ao longo da vida."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *