declara o acesso a um meio ambiente saudável, limpo e sustentável como um direito humano universal | Especial

Nesta quinta-feira, com 161 votos a favor, oito abstenções e zero contra, a Assembleia Geral das Nações Unidas declarou o acesso a um meio ambiente saudável, limpo e sustentável como um direito humano universal..

As abstenções foram da Bielorrússia, Camboja, China, Etiópia, Irã, Quirguistão, Rússia e Síria.

A determinação partiu de um projeto de resolução apresentado em junho ao plenário pela Costa Rica, Maldivas, Marrocos, Eslovênia e Suíça após a aprovação, em outubro de 2021, de texto semelhante no Conselho de Direitos Humanos.

Antes da votação, o relator especial de Direitos Humanos e Meio Ambiente, David Boyd, já classificava a decisão como “importante”.

“Os governos prometem limpar o meio ambiente e enfrentar a emergência climática há décadas, mas ter direito a um ambiente saudável muda a perspectiva das pessoas, Vai de implorar aos governos a exigir que eles ajam”ele explicou.

“A vida de muitas pessoas neste planeta é afetada pela crise climática e pela degradação do meio ambiente. Literalmente bilhões de pessoas hoje respiram ar tão poluído que reduzirá sua expectativa de vida em anos”, lembrou.

Vendo-o tornar-se realidade, o secretário-geral da ONU, António Guterres, celebrou o sucedido baptizando a notícia de “histórica”.

Na sua opinião, este marco demonstra que os Estados-Membros podem unir-se na luta coletiva contra a tríplice crise planetária constituída pelas alterações climáticas, pela perda de biodiversidade e pela poluição.

“A resolução ajudará a reduzir injustiças ambientais, fechar lacunas de proteção e capacitar as pessoas, especialmente aquelas em situação de vulnerabilidade, como defensores de direitos humanos ambientais, crianças, jovens, mulheres e povos indígenas”.anotado em um liberar.

Por sua vez, a Alta Comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, também manifestou satisfação com a votação. Assim como Guterres, o ex-presidente pediu ação.

“Os Estados devem cumprir seus compromissos internacionais e intensificar seus esforços para torná-lo realidade. Todos sofreremos efeitos muito piores das crises ambientais se não trabalharmos juntos para preveni-las coletivamente agora”, alertou.

UN

Ambiente saudável?

O reconhecimento do acesso a um meio ambiente saudável, limpo e sustentável como um direito humano universal ocorre após semanas que foram críticas para o planeta.

Uma forte onda de calor sufocou a Europa por vários dias e deixou, pela primeira vez em sua história, mais de 40°C no Reino Unido.

Ao mesmo tempo que desataram incêndios que devastaram Espanha, Portugal e Itália central, ceifando centenas de vidas. Muitos ainda estão ativos, em fase de controle ou extinção.

Nesta quinta-feira, além disso, os incêndios continuam descontrolados em áreas do oeste dos Estados Unidos, com a Sequóias milenares da Califórnia ameaçadas direto.

Mas o calor também foi sentido na América: São Paulo registrou seu julho mais quente em 80 anos com temperatura média de 25,9°C em pleno inverno.

Ontem, quinta-feira, em África, Marrocos endossou medidas de emergência para aliviar e enfrentar a seca, procurando assegurar o abastecimento de água potável num futuro próximo.

Esta semana também se soube que o planeta perdeu um terço de seus manguezais devido ao desenvolvimento costeiro, aquicultura e desmatamento.

E sem falar da seca no Chile: embora julho tenha trazido chuvas importantes em todo o território de Santiago, por exemplo, o déficit supera 30%, segundo Meteorologia.

Nesta quinta-feira na estação Cerro Moreno de Antofagasta há um déficit de 100% e a de Punta Arenas mostra 49,2%.

O clima extremo que o mundo vivencia vem da ação humana e da emissão de gases de efeito estufa, que impulsionam o aquecimento global e disso derivam as mudanças climáticas.

Em 2015, na COP21, o mundo concordou em manter o aumento da temperatura em 1,5°C em relação à era pré-industrial.

China, Rússia e Índia, amantes e viciados em carvão, são alguns dos principais inimigos no centro do Acordo de Paris.

Reação no Chile

A notícia causou alegria no Chile, país onde as zonas de sacrifício já ocuparam mais de uma vez a pauta jornalística. De norte a sul existem cinco: Mexilhões, Tocopilla, Huasco, Quintero – Puchuncaví e Coronel.

o A ministra do Meio Ambiente, Maisa Rojas, também falou de um “dia histórico”.

“Hoje é um dia histórico. Por grande maioria, as Nações Unidas reconhecem o direito humano de viver em um ambiente limpo, saudável e sustentável. Reconhece o impacto que as mudanças climáticas têm na vida das pessoas e insta os países a tomarem ações concretas”, começou.

“No caso do Chile, fizemos um enorme progresso no reconhecimento desse direito por meio de nossa adesão a Escazú e com a lei-quadro sobre mudanças climáticas”, acrescentou.

Do Senado, Paulina Núñez (RN), presidente da Comissão de Meio Ambiente, disse que “valorizou profundamente a decisão”.

“Acho importante que os governos sejam obrigados e comprometidos com a limpeza do meio ambiente. Do Congresso, parece-me que há uma tremenda oportunidade de atualizar nossos regulamentos dessa maneira”, disse o legislador à BioBioChile.

Por sua vez, da Comissão de Meio Ambiente da Câmara, o deputado ambientalista Félix González levou o tema ao debate constitucional.

“Acho muito bom que a ONU aponte o caminho que esse direito deve seguir: um meio ambiente saudável, limpo e sustentável, muito diferente do Constituição vigente onde se estabelece de forma simples o direito ao meio ambiente livre de poluição, que parece ampla, mas é super restritiva”Ele lançou.

“É um direito que só pode ser reivindicado quando há ação de agente do Estado que produz contaminação com algum produto não natural em local natural. É bastante elaborado, não se pode alegar por omissão, por exemplo, nem por perda de biodiversidade ou porque os ecossistemas não são saudáveis ​​ou a sua utilização não permite que seja sustentável ao longo do tempo”, detalhou.

Escazu

Dias depois de chegar ao poder, o presidente Gabriel Boric assinou o Contrato Escazu.

É o primeiro tratado ambiental da América Latina e do Caribe e o único no mundo que visa proteger os ativistas ambientais.

A Câmara dos Deputados aprovou em 11 de maio e o Senado fez o mesmo em 31 de maio, tornando o Chile o décimo terceiro país a ratificá-lo.

Escazú garante o direito de acesso à informação e justiça ambiental, a participação pública nos processos decisórios ambientais e visa fortalecer as capacidades e a cooperação para proteger o direito de viver em um ambiente saudável.


Miranda Pearson

"Organizador. Introvertido. Fanático certificado pela internet. Beeraholic. Fã de álcool irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.