Cúpula da OTAN 2022 em Madri, ao vivo | Sánchez, sobre o aumento dos gastos com defesa: “Tem que ser um acordo do país. Temos que ser responsáveis” | Internacional

22 aliados assinam a carta de compromisso com o novo Fundo de Inovação da OTAN

Os líderes de 22 países da NATO assinaram esta quinta-feira a carta de compromisso com o Alliance Innovation Fund, que terá 1.000 milhões de euros para apoiar empresas emergentes que ajudarão a organização a manter-se na vanguarda da tecnologia face à crescente concorrência internacional. A assinatura do documento ocorreu antes dos chefes de Estado e de Governo da NATO iniciarem o segundo e último dia da cimeira em Madrid, e contou com a presença de Espanha, Bélgica, Bulgária, República Checa, Dinamarca, Estónia, Alemanha, Grécia , Hungria, Islândia, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Holanda, Noruega, Polônia, Portugal, Romênia, Eslováquia, Turquia e Reino Unido.

É “essencial fazermos todo o possível” para nos mantermos atualizados sobre investimentos e tecnologia”, disse o secretário-geral da Aliança, Jens Stoltenberg, durante a cerimônia de assinatura. Stoltenberg alertou que a Rússia e a China “desafiam” a liderança tecnológica aliada, em áreas como espaço ou inteligência artificial. Salientou que este fundo é “único”, pois é um fundo de capital de risco multisoberano que irá investir em empresas emergentes que se encontram numa fase inicial e podem contribuir para os objetivos estratégicos aliados.

Na declaração política que aprovaram na quarta-feira, no primeiro dia da cúpula, os líderes da OTAN destacaram seu apoio à criação de um fundo multinacional de inovação em defesa e um Acelerador de Inovação em Defesa para o Atlântico Norte (DIANA, na sigla em inglês). “Estamos estabelecendo um Acelerador de Inovação em Defesa e lançando um fundo multinacional de inovação para reunir governos, setor privado e academia para fortalecer nossa vantagem tecnológica”, declararam os líderes no documento.

Juntamente com a DIANA, este fundo de inovação procura apoiar o desenvolvimento de uma comunidade de inovação transatlântica. Em abril passado, os ministros das Relações Exteriores aliados já deram luz verde aos estatutos de DIANA. Este projeto, por sua vez, reunirá pessoal de defesa com startups, pesquisadores e empresas de tecnologia da Aliança para resolver problemas de defesa e segurança.

Os inovadores que participam dos programas da DIANA terão acesso à sua rede de dezenas de sites aceleradores e centros de teste em mais de vinte países da OTAN.

A DIANA terá um escritório regional na Europa, selecionado a partir de uma candidatura conjunta da Estônia e do Reino Unido, e outra na América do Norte, no Canadá. O Acelerador de Inovação em Defesa se concentrará em inteligência artificial, processamento de big data, tecnologias quânticas, biotecnologia, espaço ou novos materiais. “Aprovamos uma estratégia que garantirá a entrega tranquila da próxima geração do Sistema de Alerta e Controle Aerotransportado e capacidades relacionadas”, disseram os líderes da Otan em seu comunicado. (Efe)

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.