Costa pede serenidade diante de possível espionagem de russos a ucranianos em Portugal | Mundo

O primeiro-ministro português, António Costa, pediu “serenidade” em referência à alegada espionagem de refugiados ucranianos em Portugal por parte de russos ligados a organizações promovidas por Moscovo, e defendeu que, “se há algo a questionar”, existem instituições que pode tomar medidas.

“Qualquer violação dos direitos fundamentais é da maior gravidade”, assegurou este domingo o chefe do Executivo em declarações aos jornalistas, e lembrou que “a guerra também funciona através deste jogo de informação”, mas assegurou que Portugal é um Estado de direito onde existem “serviços adequados” para garantir a proteção de todos.

Explicou ainda que o caso já foi remetido à Comissão Nacional de Proteção de Dados e ao Ministério da Coesão Territorial, que deve analisar se houve violação das regras de proteção de dados.

Foi assim que reagiu a este processo, apurado esta semana pelo jornal Expresso, que mostrava que refugiados ucranianos tinham sido recebidos em Setúbal, a cerca de 50 quilómetros da capital, por uma funcionária da Câmara Municipal de origem russa, Yulia Khashin, e o seu marido , Igor Khashim, ligado a organizações relacionadas a Moscou.

Ambos tiveram acesso à documentação pessoal dos ucranianos, desde passaportes a certidões de nascimento, através da participação numa linha de apoio municipal criada para apoiar os refugiados e na qual atuaram outras instituições, como o Alto Comissariado para as Migrações (ACM) e o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

A embaixadora ucraniana em Portugal, Inna Ohnivets, já havia denunciado há algumas semanas casos de refugiados acolhidos por russos por temer que “associações pró-russas com laços muito estreitos com a embaixada russa” usassem os dados pessoais de ucranianos “interessantes para os russos”. inteligência.

O processo suscitou reclamações de organizações civis e a reação da Câmara Municipal de Setúbal, que alegou este sábado em comunicado que o Governo não respondeu ao pedido de averiguação das denúncias feitas pela Ohnivets e solicitou uma investigação ao Ministério da Administração Interna .

Sobre esta denúncia, Costa assegurou hoje que a Setúbal não pediram “nenhum esclarecimento” e sublinhou que “não vale a pena” alimentar “suspeitas e dúvidas”: “Se houver algum comportamento ilegal, as instituições vão agir. “

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, salientou ainda hoje que existem autoridades competentes para apurar as denúncias, tanto do ponto de vista judicial como administrativo, e esclareceu que quando os refugiados são acolhidos “há uma preocupação óbvia” em não colocar “em causa dados privados”.

Da oposição, o conservador Partido Social Democrata (PSD) vai pedir a presença parlamentar do presidente da Câmara de Setúbal, André Martins -da coligação constituída por verdes e comunistas- e do embaixador ucraniano.

Outras formações, como a conservadora Iniciativa Liberal e o partido de extrema-direita Chega, apoiam esta medida.

Desde que a invasão russa da Ucrânia começou em 24 de fevereiro, pelo menos 24 mil ucranianos ou estrangeiros residentes naquele país solicitaram proteção temporária em Portugal. EFE

cch/mmg

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.