Copa do Mundo no Qatar 2022, últimas notícias ao vivo | Os iranianos tocam seu hino na partida contra a Inglaterra em protesto contra a situação política do país | Copa do Mundo Catar 2022

Hugo Lloris: “Devemos cumprir os regulamentos da FIFA”

Após dois anos de experiências com Karim Benzema, a seleção francesa recupera o modelo da Rússia 2018. “Nos últimos quatro anos os jogadores mudaram”, disse Hugo Lloris, “mas o estilo permanecerá”.

Lloris falou como capitão na coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira, em Doha, na véspera da estreia contra a Austrália. “Esperamos que as ausências que sofremos nos últimos dias [Benzema y Nkunku] Ajude-nos a crescer como equipe. Acredito neste plantel e nas suas possibilidades de evolução”. A perda de Benzema, que desistiu da concentração alegando problemas físicos, recoloca Olivier Giroud, atacante do Milan. O atacante mais querido pelos companheiros diz estar vivendo “um doce período”. A mudança no perfil do avançado, de Benzema para Giroud, traduz-se numa vocação menos criativa, com menos elaboração e mais esforço dedicado a cuidar dos defesas. A nova ordem se encaixa melhor com as ideias que Deschamps consagrou em 2018.

“Quando o Giroud jogava, as pessoas tinham saudades do Benzema; quando voltámos a convocar o Benzema, as pessoas adoravam o Giroud. Agora todo mundo adora Giroud!” exclamou o treinador, que se levantou com aquela veia jocosa e bem-humorada que faz rir o público mas não deixa vestígios de ideias futebolísticas.

Deschamps descartou a possibilidade de convocar um substituto para Benzema. “O facto de Benzema não estar presente não significa que as minhas opções tenham mudado”, afirmou. “Minhas ideias ainda estão lá e os jogadores estão prontos. Antes só permitiam chamadas de 22. Agora que somos 25, basta”.

Questionado sobre o conflito entre a campanha One Love, para reivindicar as minorias LGBT, e o mandato da FIFA que considera essas pulseiras um emblema de conteúdo político, Lloris reafirmou sua posição pró-governo e anunciou que, ao contrário do que capitães como Harry Kane, Virgil van Dijk ou Christian Eriksen anunciou, ele não usará a pulseira. “Se a FIFA organizar a competição, temos que seguir as regras e, como jogadores, temos que apenas competir”, disse ele. “Prefiro ficar na minha caixa.”

informar Diego Torres

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *