Copa do Mundo Catar 2022 | As ‘contratações’ do Mundial: 137 jogadores disputam países onde não nasceram

24/11/2022 às 13h17

TEC


Marrocos (14 jogadores), Tunísia (12) e Senegal (12) são as seleções com mais internacionalizações que não nasceram nos países onde competem no Qatar

41% de todos os gols marcados pelas seleções classificadas para a Copa do Mundo foram de imigrantes de primeira geração ou filhos ou netos de imigrantes

Os imigrantes têm sido figuras-chave nas seleções nacionais de futebol há décadas. Sem ir mais longe, 41% de todos os gols marcados pelas seleções classificadas para a Copa do Mundo foram de imigrantes da primeira geração ou dos filhos ou netos dos migrantes.

Além disso, os golos marcados pelos jogadores imigrantes das diferentes selecções nacionais foram decisivos para que quase metade das selecções (14 dos 32 participantes) se apurassem para o torneio. Neste torneio haverá um total de 137 jogadores que irão competir por outros países que não os de seu nascimento. São as ‘contratações’ do Qatar 2022.

A história recente sugere que times com jogadores imigrantes estariam certos em serem otimistas sobre suas chances de avançar nas diferentes fases do campeonato. No Mundial do Qatar, Marrocos (14 jogadores não nascidos em Marrocos), Tunísia (12) e Senegal (12) lideram a lista das seleções com mais jogadores não nascidos no país que representam.

O melhor Marrocos da história?

De acordo com as previsões da Betfair, Marrocos pode fazer história no futebol de seu país. Certamente, grande parte de seu sucesso está em liderar a tabela de seleção com mais jogadores não nascidos no país que representam e que foram treinados em ligas de alto nível.. Achraf, nascido na Espanha, e Hakim Ziyech, nascido na França, são as estrelas. Seguem-se casos como Munir (também nascido em Espanha) ou Bounou. O guarda-redes do Sevilha nasceu no Canadá. A eliminação do Marrocos nas oitavas de final é paga a € 3,5 por euro apostado, ou seja, uma probabilidade bastante alta de atingir seu teto em uma Copa do Mundo (oitavo no México 86).

Seis ‘espanhóis’ de ‘La Roja’.

Um caso marcante também é o de Iñaki Williams. O jogador com mais partidas consecutivas disputadas na LaLiga costuma ser regular no gramado da LaLiga. A novidade? Que com Gana contra Portugal será a primeira vez que jogo uma Copa do Mundo de futebol e, ainda por cima, com uma camisa que não é a espanhola. Nascido em Bilbao depois que seus pais cruzaram de Gana para a Espanha em busca de um futuro melhor para ele, Iñaki Williams recentemente decidiu voltar às suas raízes e jogar com a equipe de seus pais e avós depois de ter competido com o menor ‘ La Roja’ His o irmão Nico, sem ir mais longe, já fez sua estreia com a Espanha. De acordo com as previsões da Betfair, Iñaki Williams sendo o artilheiro de Gana recebe € 5,5 por euro apostadomais provável do que qualquer outro jogador de sua equipe.

Uma Sérvia ‘espanhola’

O avançado do Athletic não é o único caso de um jogador nascido em Espanha que vai jogar noutra equipa. A Sérvia, por exemplo, tem dois representantes nascidos no Piel de Toro. Sergej Milinkovic-Savic, meio-campista da Lazio, e seu irmão, Vanja Milinkovic-Savic, nasceram em nosso país. A primeira, em Lérida. A segunda, em Ourense. A razão foi que seu pai Nikola Milinkovic, um jogador de futebol sérvio dos anos 90, jogou por Lleida e Ourense quando os meninos nasceram. Aliás, essa é a origem de ter dois sobrenomes e não um, como acontece com os sérvios. A legislação espanhola exige o uso do sobrenome materno e paterno. Robert Skov (joga pela Dinamarca, mas nasceu em Marbella), Jeremy Sarmiento (nascido em Madrid, mas internacional pelo Equador) para além dos já referidos Munir e Achraf, são os outros ‘espanhóis’ que competem por outras nações.

A importância da imigração

Em 2018, a França venceu o torneio na Rússia com 87% dos jogadores de origem imigrante. Segundo as previsões da Betfair, a França é favorita em todas as Copas do Mundo desde o final dos anos 90 e agora paga € 7 por euro apostando que conquista o título (é a segunda favorita apenas atrás do Brasil).. A seleção francesa sempre foi marcada pelas origens da maioria de seus jogadores e mesmo três deles da atual lista não nasceram em suas fronteiras: camavinga (Angolano), thuram (Itália) e chefe (RD Congo).

Cedric Schmidt

"Amante de café irritantemente humilde. Especialista em comida. Encrenqueiro apaixonado. Especialista em álcool do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *