Como Portugal “enganou” o ex-ditador fazendo-o acreditar que ainda estava no comando da cama

Assessores do falecido ditador de Portugal António de Oliveira Salazar o levaram a acreditar na fantasia “absurda” de que ele ainda governou o país por dois anos depois de ter sido substituído devido a problemas de saúde, afirma um novo livro.

Salazar governou Portugal de 1932 a 1968, quando sofreu uma série de problemas de saúde e foi substituído como chefe de Estado por Marcelo Caetano.

Até sua morte em 1970, assessores deram a Salazar uma versão falsa do jornal Notícias diárias todos os dias, que continham histórias fictícias para fazer parecer que ele ainda estava no comando do país.

Todas as noites, o editor criava uma edição especial do jornal, só para Salazar, na qual eliminava qualquer referência a Caetano e seu governo.

Os ministros participaram de reuniões com o ditador acamado e até fizeram comentários depreciativos contra Caetano, segundo o livro recém-publicado.

Marco Ferrari, jornalista italiano e autor de A incrível história de António Salazar, o ditador que morreu duas vezes diz que a fantasia continuou até a morte do déspota em 1970.

“Foi uma situação absurda que durou dois anos, até a morte de Salazar, e que envolveu toda a classe dominante do país”, comentou Ferrari para o jornal espanhol. O país.

A história tem algumas conotações do filme de 2003 adeus leninem que um alemão tenta proteger sua mãe, recentemente recuperada de um coma, do choque de descobrir que o Muro de Berlim caiu, então ele decide recriar o mundo como era antes da queda da Alemanha Oriental.

Em Portugal, uma dica de que Salazar acreditava que a fantasia era real veio em entrevista ao jornal francês L’Aurore em 1969.

Ele disse ao jornalista que Caetano não estava no governo, mas ainda trabalhava como professor de direito.

Salazar liderou o movimento conservador do Estado Novo que governou Portugal da década de 1930 a 1974.

Católico convicto, opôs-se ao comunismo e ao socialismo, mas distanciou-se do nazismo e do fascismo.

“(Salazar) governou o maior império colonial de 1932 a 1968, de Hitler aos Beatles. Ele manteve o poder com o apoio da Igreja e dos camponeses, reprimindo os sindicatos, a liberdade de imprensa e qualquer outro tipo de oposição ou dissidência política”, afirmou Ferrari.

Em 2007, Salazar foi eleito o “maior português de todos os tempos” numa sondagem televisiva que provocou alvoroço dos opositores, bem como acalorados debates académicos sobre o seu papel e legado na história do país.

Salazar governou por tanto tempo graças em parte a uma rede de 20.000 policiais secretos e cerca de 200.000 informantes, segundo estimativas de alguns historiadores.

O governo do Estado Novo terminou em 1974 com a revolução pacífica dos “Cravos” que restaurou a democracia.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.