como estão as seleções favoritas?

Uma olhada no momento de forma atual das seleções favoritas ao título no Copa do Mundo Catar 2022 (21 de novembro a 18 de dezembro), com seus pontos fracos e fracos, e as estrelas que são esperadas no grande evento futebolístico do ano.

Alemanha: em recomposição

Após ser eliminado na fase de grupos da Rússia-2018, Alemanha Está invicto desde que Hansi Flick chegou ao banco após a Euro 2020 (jogada em 2021), em nove jogos.

O ex-técnico do Bayern de Munique confia no esqueleto da formação bávara (Manuel Neuer, Joshua Kimmich, Leon Goretzka, Thomas Müller, Leroy Sané, Serge Gnabry) para devolver a ‘Mannschaft’ ao topo.

A defesa parece mais instável, com a dupla Nico Schlotterbeck-Antonio Rüdiger ainda frágil.

Na primeira fase, a Alemanha terá de estar no seu grupo com a Espanha, outra das favoritas.

Argentina: reconstrução concluída

Após a eliminação nos oitavos-de-final da Rússia-2018 (4-3 frente à França), vivida como um desastre, a Albiceleste tem vindo a reconstituir-se gradualmente como grupo, com identidade de jogo e moral de vencedor sob a silhueta inesperada de Lionel Scaloni , ex-integrante do ‘staff’ de Jorge Sampaoli que assumiu o cargo provisoriamente no final de 2018, para acabar se consolidando no banco argentino.

Scaloni, de 43 anos e sete internacionalizações entre 2003 e 2006, nunca tinha sido treinador principal de uma equipa profissional, mas este treinador de baixo perfil, muito próximo dos jogadores que o apreciam, conseguiu a mudança geracional depois de ter testado dezenas de jogadores em três anos e tornando alguns deles indiscutíveis, como o goleiro Emiliano Martínez (Aston Villa), o zagueiro Cristian Romero (Tottenham) e o atacante Lautaro Martínez (Inter de Milão), além de presentear Ángel di Mary e devolver o sorriso ao Leo Messi.

Scaloni levou a Argentina vencer a Copa América em 2021 contra Brasilpondo fim a uma seca de 28 anos em um torneio continental que foi o único que Maradona não pôde dar ao seu país.

Além do mais, Argentina igualou sua invencibilidade (31 jogos) no encerramento das eliminatórias da Copa do Mundo da América do Sul, e selou facilmente sua passagem para Gostoterminando tranquilamente em segundo lugar, atrás do Brasil.

“Estou feliz aqui há muito tempo”, declarou recentemente. Messiagora convertido em jogador de uma equipe que gira menos em torno dele, apesar de manter total liberdade de movimento.

E o horizonte argentino é promissor, pois já começam a se destacar os jovens que devem ser protagonistas em breve, como o atacante do River Plate Julián Álvarez, 22, seis vezes internacional e que já assinou pelo Manchester City para a próxima temporada.

A única dúvida será a forma de Messi após sua discreta primeira temporada no Paris SG e a resposta da equipe argentina contra as grandes potências europeias.

No Catar, a Argentina disputará a fase de grupos junto com Arábia Saudita, México e Polônia.

Bélgica: ambição revista em baixa

Bélgica É a única equipa europeia a estar presente nos quartos-de-final das últimas quatro grandes competições (Campeonatos da Europa e Campeonatos do Mundo), mas a geração de ouro dos ‘red devils’ está relutante em chegar à final.

Algumas figuras, como Eden Hazard ou Romelu Lukaku, não tiveram um bom ano e os anos passam para a maioria dos pesos pesados ​​da equipe.

O guarda-redes Thibaut Courtois (Real Madrid) e Kevin De Bruyne (Manchester City) parecem estar em melhor forma. A Bélgica também está confiante de que o tão esperado sucessor (Tielemans, Saelemaeckers, Trossard, Castagne, Doku, Theate…) responderá bem ao novo projeto de Roberto Martínez.

Brasil: uma rocha defensiva

Os pentacampeões mundiais estão em grande forma, como evidenciado por suas três goleadas por 4 a 0 nas últimas três partidas das eliminatórias, incluindo uma na sempre difícil Bolívia a 3.600 metros para terminar sua carreira invicto. Catar-2022com pontos recordes.

Neymar continua sendo a referência ofensiva apesar de seu papel irregular em seu clube, o PSG. Com a Seleção já soma 71 gols, apenas seis aquém do recorde do Rei Pelé, embora sua hierarquia no topo já esteja sendo ameaçada por jovens como Vinicius, Paquetá, Antony ou Raphinha, sem esquecer os ‘veteranos’ Firmino ou Gabriel Jesus.

Mas se a equipe de Tite se destaca por algo, é pela solidez defensiva, com os veteranos Marquinhos e Thiago Silva na retaguarda e Casemiro como barreira no meio-campo.

Em 17 partidas pelas eliminatórias da Copa do Mundo (a suspensa contra a Argentina permanece), a Seleção sofreu apenas 5 gols.

Mas a equipe de Tite não enfrentou nenhum rival de seu nível nos últimos anos, exceto a Argentina (1 vitória, 1 empate e duas derrotas, uma na final da última Copa América). Desde a derrota para a Bélgica nas quartas de final da Rússia-2018, o Brasil só disputou um amistoso contra uma seleção europeia e foi contra a República Tcheca em 2019 (vitória por 3 a 1).

A imprensa e o brasileiro desonesto consideram possível uma sexta coroa, apesar de Tite não ter apoio unânime, já que tem muitos detratores que criticam seu jogo defensivo. O treinador já anunciou que deixará o cargo após a Copa do Mundo, seja qual for o resultado.

Espanha: juventude e confiança

Espanhasemifinalista do último Campeonato da Europa, parece que chegará ao mundo com ânimo renovado.

O bom Europeu e o vice-campeonato na última Liga das Nações (derrota por 2-1 frente à França na final) dão confiança à equipa de Luis Enrique Martínez, que sonha em imitar Vicente Del Bosque e guiar a ‘Roja’ até ao fim que possível. alta, para o lugar que já ocupava em 2010.

Luis Enrique realizou uma importante mudança geracional, incluindo jogadores muito jovens como Pedri, Gavi ou Ansu Fati, que dividem espaço com jogadores mais experientes, como Álvaro Morata, Aymeric Laporte ou Sergio Busquets.

França: ataque dos sonhos

Eliminado prematuramente na Eurocopa (nas oitavas de final), os ‘Bleus’ se recuperaram no outono passado com uma vitória na Liga das Nações contra rivais de alto escalão: 3-2 para Bélgica nas meias-finais e 2-1 contra a Espanha na final.

E em cada ocasião, a vitória veio depois de uma reviravolta e graças aos gols de seu trio estelar no ataque MbappéBenzema-Griezmann, um tridente invejado por cada uma das equipes participantes do evento do Catar.

O técnico Didier Deschamps, cujo contrato terminará após a Copa do Mundo, espera levar os ‘Bleus’ a revalidar a coroa conquistada na Rússia, algo que apenas Itália (1934 e 1938) e Brasil (1958 e 1962) conseguiram antes.

Para isso, Deschamps mantém sua confiança no núcleo duro formado por Hugo Lloris e Paul Pogba para acompanhar o tridente ofensivo, ao qual novas peças como Theo Hernandez ou Aurélien Tchouaméni estão sendo gradualmente incorporadas.

Leia também: Polêmica na arbitragem colombiana: “Machado tocou meus testículos e cauda”

Inglaterra: a progressão continua

Inglaterra Foi finalista do Europeu de 2021, mas seis meses antes do Mundial sente uma certa falta de referências para saber qual será a sua verdadeira perspetiva no Qatar.

Venceu laboriosamente em um amistoso contra a Suíça (2-1) no final de março, mas sem tirar muitas conclusões desse duelo, e depois venceu a Costa do Marfim por 3 a 0, contra um rival que logo caiu para 10 e, portanto, ficou diminuído

A decepcionante temporada de Harry Maguire, os recentes problemas físicos de John Stones e Kyle Walker, ou a ausência ao longo da temporada de Ben Chilwell fazem da defesa o provável calcanhar de Aquiles da equipe de Gareth Southagate, que contará especialmente com a inspiração de seus homens de ataque. Harry Kane, Phil Foden, Mason Mount ou Jack Grealish).

Portugal: na terceira linha

Depois de uma campanha de qualificação decepcionante, na qual Portugal Eles terminaram em segundo lugar no grupo atrás da Sérvia e tiveram que buscar o ingresso para a Copa do Mundo nos play-offs, a equipe liderada por Cristiano Ronaldo ele também não construiu confiança através de seu jogo.

Apesar de ser uma reserva inesgotável de talentos (Pepe, João Cancelo, Bernardo Silva, Bruno Fernandes ou João Félix para ajudar o inesgotável CR7), a equipa liderada por Fernando Santos continua a sofrer com a falta de uma equipa forte, sem um plano de jogo claro e com lacunas na defesa. E apesar do talento no ataque, Ronaldo não marca pela sua seleção desde outubro de 2021.

A imprensa especializada coloca Portugal no terceiro escalão dos favoritos, atrás de Brasil e França (principais candidatos) e um segundo grupo com Espanha, Argentina e Alemanha.

Leia também: “Álvaro González queria fazer um registro para não denunciar os abusos sexuais de Ruiz e Machado”

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.