Chaves Nogales, diretor do jornal inicial | cultura e entretenimento

O jornalista Manuel Chaves Nogales, cuja obra completa em cinco volumes foi publicada há dois anos, dirigiu o jornal liberal “La Noche” em Sevilha em 1919 aos 22 anos, segundo um artigo do seu sócio editorial Enrique Feria encontrado agora e três cartas do próprio Chaves Nogales, resgatadas pela revista literária investigativa “Noon”.

A professora da Universidade de Sevilha, Marta Palenque, publicou no “Meio-dia” um estudo sobre a participação de Chaves Nogales no “La Noche” – jornal sevilhano do qual se conservam apenas alguns exemplares – que reproduz na íntegra três cartas inéditas do jornalista ao estudioso Luis Montoto -um deles com o timbre de “La Noche”- e o artigo de Enrique Feria que conta como Chaves Nogales foi escolhido como diretor e como desempenhou essa tarefa.

A carta a Luis Montoto, então na casa dos sessenta, com o timbre “La Noche”, ao contrário das outras duas cartas que enviou ao estudioso sevilhano, não tem data, mas Marta Palenque a localizou “no final de 1919”.

“La Noche” teve vários períodos desde a sua fundação em 1916 até ao seu desaparecimento em 1921 e, segundo Palenque, “compreende-se que a presença de Chaves Nogales no jornal tenha permanecido desconhecida, dada a raridade da fonte”, uma vez que is not Não se conserva nenhuma coleção completa do jornal, exceto seis números soltos de janeiro de 1916 na Hemeroteca de Sevilha e os exemplares entre 30 de setembro e 23 de dezembro de 1919, na Universidade de Sevilha.

Marta Palenque explicou à EFE que somado a esta circunstância é que a informação do jornal não estava assinada e que o jornal não incluía o típico banner com a lista dos responsáveis ​​pela redação.

No entanto, o aspecto mais decisivo da investigação é um artigo de Enrique Feria, companheiro na redação de “La Noche” de Chaves Nogales, que, publicado em 1935 em “La Voz de Aragón” – artigo localizado pela editora sevilhana Abelardo Linares e reproduzido na íntegra em “Noon” -, registra o trabalho de Chaves Nogales à frente de “La Noche”.

“Manolo Chaves foi o nosso professor, o nosso guia, o nosso irmão mais velho, o nosso conselheiro. O seu grande optimismo era contagiante. A sua capacidade de trabalho, extrema; o seu comportamento, exemplar…”, escreve Enrique Feria, a quem foi encomendado a fundação da ” La Noche”, do liberal Pedro Rodríguez de la Borbolla, o político mais influente de Sevilha no final do século XIX e início do século XX.

O artigo de Enrique Feria é uma evocação da juventude de toda uma geração de jornalistas: “Aquela redação (de ‘La Noche’) era encantadora. o consagrou”.

Enrique Feria, no seu artigo, descreve o ambiente de uma redação provincial em 1919 “num local inóspito, sem todo o conforto e comodidade” que era partilhada, numa única “sala”, com a administração e as restantes dependências da jornal, traz anedotas hilárias e, também com humor, registra o apelo profissional que distinguiu Chaves Nogales:

“Os personagens mais estranhos de Madrid desfilaram pela nossa ‘casa’. Sevilha, aqui foram plantados todos os tipos bizarros do Tribunal dos Milagres”.

Alfredo Valenzuela

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.