Chaves Nogales, diretor do jornal inicial | cultura e entretenimento

O jornalista Manuel Chaves Nogales, cuja obra completa em cinco volumes foi publicada há dois anos, dirigiu o jornal liberal “La Noche” em Sevilha em 1919 aos 22 anos, segundo um artigo do seu sócio editorial Enrique Feria encontrado agora e três cartas do próprio Chaves Nogales, resgatadas pela revista literária investigativa “Noon”.

A professora da Universidade de Sevilha, Marta Palenque, publicou no “Meio-dia” um estudo sobre a participação de Chaves Nogales no “La Noche” – jornal sevilhano do qual se conservam apenas alguns exemplares – que reproduz na íntegra três cartas inéditas do jornalista ao estudioso Luis Montoto -um deles com o timbre de “La Noche”- e o artigo de Enrique Feria que conta como Chaves Nogales foi escolhido como diretor e como desempenhou essa tarefa.

A carta a Luis Montoto, então na casa dos sessenta, com o timbre “La Noche”, ao contrário das outras duas cartas que enviou ao estudioso sevilhano, não tem data, mas Marta Palenque a localizou “no final de 1919”.

“La Noche” teve vários períodos desde a sua fundação em 1916 até ao seu desaparecimento em 1921 e, segundo Palenque, “compreende-se que a presença de Chaves Nogales no jornal tenha permanecido desconhecida, dada a raridade da fonte”, uma vez que is not Não se conserva nenhuma coleção completa do jornal, exceto seis números soltos de janeiro de 1916 na Hemeroteca de Sevilha e os exemplares entre 30 de setembro e 23 de dezembro de 1919, na Universidade de Sevilha.

Marta Palenque explicou à EFE que somado a esta circunstância é que a informação do jornal não estava assinada e que o jornal não incluía o típico banner com a lista dos responsáveis ​​pela redação.

No entanto, o aspecto mais decisivo da investigação é um artigo de Enrique Feria, companheiro na redação de “La Noche” de Chaves Nogales, que, publicado em 1935 em “La Voz de Aragón” – artigo localizado pela editora sevilhana Abelardo Linares e reproduzido na íntegra em “Noon” -, registra o trabalho de Chaves Nogales à frente de “La Noche”.

“Manolo Chaves foi nosso professor, nosso guia, nosso irmão mais velho, nosso conselheiro. Seu grande otimismo era contagiante. La Noche”, do liberal Pedro Rodríguez de la Borbolla, o político mais influente de Sevilha no final do século XIX e início do século XX.

O artigo de Enrique Feria é uma evocação da juventude de toda uma geração de jornalistas: “Aquela redação (de ‘La Noche’) era encantadora. o consagrou”.

Enrique Feria, no seu artigo, descreve o ambiente de uma redação provincial em 1919 “num local inóspito, sem todo o conforto e comodidade” que era partilhada, numa única “sala”, com a administração e as restantes dependências da jornal, traz anedotas hilárias e, também com humor, registra o apelo profissional que distinguiu Chaves Nogales:

“Os personagens mais estranhos de Madrid desfilaram pela nossa ‘casa’. Sevilha, aqui foram plantados todos os tipos bizarros do Tribunal dos Milagres”.

Alfredo Valenzuela

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.