As chaves do modelo português elogiadas por Alberto Fernández, segundo Martín Lousteau

Em maio de 2019, Martin Lousteau, naquela época deputado nacional para Juntos pela Mudança, regressou de uma viagem a Portugal e concedeu uma entrevista exclusiva a NetTV S Perfil do diário. consultado pelo CEO da Profile Network, Jorge Fontevecchia em seu ciclo de entrevista Jornalismo puro, o economista analisou o modelo económico português que Alberto Fernández relacionados com a Argentina.

Em primeiro lugar, o atual senador disse que em “a técnica é totalmente diferente“o caso português do argentino. “Em Portugal conheci o terceiro na linha de sucessão, que é o secretário da Presidência e o ministro da Modernização, com o chefe de gabinete do ministro das Finanças do governo anterior, do qual ele fez o ajuste, teoricamente, e com o ministro da educação que reformou a educação em Portugal”, disse Lousteau, acrescentando: “Quando você fala com eles, a primeira coisa que eles dizem é: ‘O ajuste aconteceu, e foi brutal. E continua’“.

Da mesma forma, Martín Lousteau explicou que “O primeiro ajuste foi feito na emergência, foi cortado como é cortado em um hospital de campanha. Uma vez que a amputação entrou em vigor e acalmou as coisas, e o Banco Central Europeu saiu para apoiar a dívida, outras oportunidades se abriram para eles. Portugal conseguiu reembolsar o Fundo porque com a garantia do Banco Central Europeu fez um empréstimo mais barato do que com o Fundo.”

Marcelo Rebelo de Sousa para Alberto Fernández: “Amigo, que prazer revê-lo, como presidente”

“Como vamos substituir o Fundo por algo muito mais caro que ele não quer nos emprestar? O reajuste foi de 20% do salário público, um reajuste muito brutal. Quando saiu alguém com apoio institucional que permitiu a Portugal voltar nos mercados, cancelou a dívida com o Fundo. Você cancelou o ajuste? Fez algo que leva mais tempo, decide que a configuração é diferente. Por exemplo, só agora eles têm, em alguns casos, salários no nível de quase dez anos atrás, e começaram a cortar investimentos, para privatizar. Na época fizeram um hospital de guerra, e agora continuam fazendo ajustes, mas é um hospital de média complexidade, podem pensar um pouco mais”, analisou então o ex-ministro da Economia.

Para concluir, Martín Lousteau destacou que “minha experiência mais valiosa foi que, após o cansaço do ajuste, a frustração, a decepção, surgiu uma coalizão que era absolutamente imprevisível antesdeu origem a algo que parecia impossível aos portugueses, como vos parece o que vos proponho, tão impossível e tão raro para o sistema político português que a oposição chama-lhe geringonça, que é uma mistura de muitas coisas diferentes que eles não não faz sentido.” “E fizeram muito bem em valorizar os portugueses, na gestão, em mudar o tom do ajustamento, em mudar o estado de espírito dos portugueses”, concluiu.

RM/FF

você pode gostar

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.