Aprovação do Plano Estratégico pela comunidade

O ministro da Agricultura, Luis Planas, já antecipou há alguns dias que a aprovação do Plano Estratégico de Espanha para a nova PAC poderia ser uma questão de dias e insistiu na entrada da reunião de ministros da sucursal em Bruxelas esta segunda-feira e, para desgosto de algumas comunidades que não ficaram muito satisfeitas e ainda ambicionavam introduzir alterações no documento, não se enganou: após a referida reunião, a Comissão Europeia deu a sua aprovação ao plano. “Estou muito feliz em anunciar que encerramos as discussões com cinco Estados-Membros (Portugal, Polônia, Espanha, Dinamarca e França). Para esses países, vamos prosseguir com o lançamento do processo de aprovação”, disse o Comissário Europeu para a Agricultura, Janusz Wojciechowski, durante a reunião de ministros da sucursal. dez Estados-Membros podem apresentar uma nova versão (do plano nacional) antes das férias de verão.”

O documento foi enviado antes do final do ano para que Bruxelas pudesse analisá-lo e propor melhorias que cada país deveria especificar com o setor e, no caso da Espanha, também com as comunidades autônomas. Uma vez que o Executivo Comunitário considere que as modificações feitas pelos países respondem satisfatoriamente às observações levantadas, os países podem enviar a versão revisada do plano, com a qual é lançada a aprovação oficial. Este é o ponto do processo em que se encontra a Espanha, que já pode enviar o plano revisto às autoridades europeias, que levará cerca de seis semanas para ser definitivamente adotado, prazo para a Comissão concluir os procedimentos administrativos necessários. “O procedimento de aprovação leva cerca de seis semanas, então devemos ter as primeiras decisões de adoção no início de setembro”, disse o comissário de Agricultura.

«Na passada quinta-feira concluímos com a Comissão Europeia os contactos técnicos para a conclusão do Plano Estratégico Nacional de Espanha. Foi uma discussão longa, frutífera e muito positiva, pelo que a Comissão nos autorizou a enviar o plano definitivamente”, declarou Luis Planas, Ministro da Agricultura, antes de entrar na reunião. “Hoje (na segunda-feira) esperamos que a Comissão Europeia, o comissário Wojciechowski, confirme a aprovação política do plano, que depois tem que seguir uma série de procedimentos administrativos dentro da Comissão, o colégio de comissários, e de acordo com nossas informações poderia ser concluído este verão”, acrescentou o ministro.

Janusz Wojciechowski explicou que quanto mais certeza for dada aos agricultores, mais certeza haverá na produção e na segurança alimentar. Ele reconheceu a importância de uma “rápida aprovação” dos planos “à luz da crise ucraniana”, mas afirmou que também deve ser assegurado que os planos cumpram os objetivos e “ambições” da reforma da PAC.

Luis Planas congratulou-se com o facto de a Espanha estar no primeiro grupo de cinco países que nas próximas semanas vai receber a aprovação definitiva da CE para o Plano Estratégico e insistiu no mesmo aspecto do comissário: “Isso facilitará a nossa agricultores e pecuaristas para planejar suas colheitas e produções para a próxima campanha; eles precisam de um sinal claro de que estamos caminhando para um cenário de certeza na PAC.”

A partir de agora, o Governo espanhol poderá continuar com a tramitação do pacote legislativo que acompanhará a implementação do plano “e que significará a revisão mais ambiciosa do quadro regulamentar agroalimentar em Espanha em décadas”, segundo ao Ministério. É neste ponto que algumas comunidades autónomas não muito satisfeitas com o plano tentarão adaptá-lo tanto quanto possível às necessidades dos seus territórios, já que a atividade agrícola da Cordilheira Cantábrica ou da Galiza não tem nada a ver com o que pode ser desenvolvido na Andaluzia. ou Múrcia.

Por outro lado, no Conselho de Ministros da Agricultura, Planas trabalhou para manter a flexibilização estabelecida nesta campanha, de modo a que se mantenha a possibilidade de continuar a utilizar terras em pousio e se possa modificar a rotação de culturas para garantir a produção no exercício que se iniciará em setembro.

O setor.

O secretário-geral do COAG, Miguel Padilla, assegurou que a aprovação do Plano Estratégico é um “marco” que implica que o plano estratégico espanhol adquira “caráter definitivo”. A partir de agora, segundo Padilla, o objetivo é disseminar o plano entre os agricultores, “para que possam tomar decisões informadas para os próximos plantios”. No entanto, reconheceu que “há muita preocupação e incerteza em medidas-chave”, como os eco-regimes (eco-esquemas) e as ajudas associadas aos sectores. Além disso, esta organização “vai continuar a garantir” que o modelo profissional e social da agricultura “não perca depois de 2023 com a implementação da nova PAC”.

Por seu lado, o secretário de Relações Internacionais da UPA, José Manuel Roche, qualificou a aprovação da CE como “boa notícia” porque significa que “o roteiro traçado pelo Ministério está sendo seguido graças a todo o trabalho de diálogo e consenso com o setor». «Tem sido possível cumprir os tempos marcados; Isso significa que, até ao final do ano, podemos ter o plano totalmente aprovado, lançar este novo CAP e garantir os mais de 7.000 milhões de euros que virão para a Espanha para agricultores e pecuaristas”, disse Roche.

O representante da UPA valorizou especialmente que o plano espanhol, a pedido desta organização agrária, incluísse ajudas diretas aos olivais tradicionais e que a Europa o tenha aprovado, embora, por outro lado, tenha dito que não entende que a União Europeia retirou do plano os 45 milhões de euros que foram destinados às oleaginosas, especialmente girassol e colza, por não serem consideradas proteaginosas.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.