Apresentam em Ourense aplicações para fugir ao turismo interior

O campus da UVigo de Ourense acolheu a fase final do primeiro Hackathon-Laboratório de Ideias com o desafio de apresentar propostas inovadoras para viagens sustentáveis

16 de outubro de 2022 . Atualizado às 05:00.

O desafio consistiu em gerar propostas para promover o turismo de qualidade na Galiza e no norte de Portugal, com base na inovação tecnológica, e os projetos das catorze equipas galegas e portuguesas que participaram neste primeiro Hackathon-Laboratório de Ideias e Inovação Eles eram muito variados. O apelo transfronteiriço para Campus de Ourense contou com financiamento europeu do programa Interreg V dentro do projeto Empreendedores. Atraiu 55 participantes, que se dividiram nessas 14 equipas e desenvolveram as suas ideias, primeiro online e, finalmente, numa fase final que chegou a quatro projetos. Esta parte decorreu sexta-feira e sábado na Escola de Enxeera Informtica de Ourense, onde decorreu uma sessão de trabalho, uma sessão de mentoria e, por fim, as apresentações e entrega de prémios.

Juan Rivas, mentor, destacou que dos 14 finalistas, 13 eram mulheres que foram incentivadas a apresentar esses projetos mesmo quando as disciplinas STEM (áreas científicas, tecnológicas ou matemáticas) têm dificuldades em captar o público feminino. Os quatro projetos que chegaram à final foram: A Galiza veio à mente, apresentada por três Ourenses que se propuseram a emparelhar eventos, como sessões de mindfulness, com provas de vinhos; rotas mexicanas, idealizado por duas mulheres e um homem de A Guarda, que apresentaram uma proposta de aplicação móvel que transferia o formato de jogos de fuga para um ambiente natural aberto; viagem, um aplicativos concebido para apoiar a reflorestação em áreas como as do sul de Lugo recentemente danificadas por incêndios florestais como forma de valorizar estas paisagens interiores. A equipe que criou este projeto —composta por um administrador de site, uma estudante de design gráfico e um designer de aplicativos de computador— é feminina e não se conhecia anteriormente; e O Couto Mixto/Máscaras, em que quatro habitantes de Vigo se propuseram a valorizar o parque natural transfronteiriço Xurs-Gers com um website com percursos e mapas.

Ontem, os finalistas apresentaram os seus projetos a um júri composto por Enma Gonzlez, gestora do Inorde, Fernando Surez, presidente do conselho das faculdades de informática, Marcos Sousa, diretor de turismo Porto-Norte de Portugal, e Alma Gmez, professora da Escola de Enxeera IT.



Eloise Schuman

"Fã de café. Especialista em viagens freelance. Pensador orgulhoso. Criador profissional. Organizador certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *