Andaluzia lança para atrair ‘ricos’ na Catalunha, Portugal, Reino Unido e Marrocos

O presidente da Andaluzia, Juanma Moreno, insistiu hoje na mensagem de que o novo sistema tributário andaluz torna a comunidade o local de residência ideal para pessoas de alta renda que agora têm domicílio fiscal na Catalunha, Portugal, Reino Unido ou Marrocos. Uma estratégia em que a supressão do Imposto sobre a Riqueza e as reduções do IRPF aprovadas desde 2018 desempenham um papel fundamental.

Alheio às bolhas que desperta no governo catalão, o discurso que vem lançando desde que anunciou o bônus de 100% em Ativos na segunda-feira, Moreno pretende reorientar o escritório que o Conselho pretende abrir em Barcelona desde 2020. Além de um delegado institucional, haverá uma consultoria tributária e empresarial que traduz em atos as mensagens de Juanma Moreno. Não será um cargo político, mas claramente um escritório comercial’.

Em San Telmo explicam que na Catalunha a pressão fiscal vem aumentando nos últimos anos. Até agora, a única forma de evitar o Heritage era residir no estrangeiro ou em Madrid. Mas esta segunda opção pode ter um custo de imagem na sociedade catalã. Esse custo não é tal se a transferência de residência for para a Andaluzia.

Até agora, o contribuinte que pagou Património na Andaluzia (com bens avaliados em mais de 700.000 euros) gastou mais de 4.500 euros em média.

não apenas férias

Além disso, as contas do executivo andaluz passam por captar como residentes muitas pessoas que passaram a ter uma casa na Andaluzia como segunda habitação, com domicílio fiscal em Reino Unido, Marrocos ou Portugal. O Imposto sobre a Riqueza era um sério inconveniente para atrair esses altos rendimentos, e eles declaravam seus bens não na Espanha, mas no mundo, e pagavam impostos sobre eles.

Insiste-se que o alvo não são os bilionários. Não só, pelo menos. Renda média-altacomo profissionais liberais de sucesso, também estão no radar da Andaluzia.

Leva-se também em conta que com a ascensão do teletrabalho, muitos executivos se estabeleceram na Andaluzia, sem transferir seu domicílio fiscal. As novas condições fiscais na comunidade podem fazê-los mudar de ideia e dar o passo.

O patrimônio é apenas 0,6% da arrecadação total da Andaluzia

O Imposto Patrimonial abolido pela Andaluzia arrecadou cerca de 95 milhões de euros de aproximadamente 20.000 contribuintes. É 0,6% da arrecadação total na Andaluzia, que ultrapassa os 17.000 milhões de euros. No governo, estima-se que 7.000 pessoas de alta renda capturadas serão indenizadas pelos 95 milhões que estão isentos do Imposto de Renda Pessoa Física.

Experiência anterior

Este efeito já era apreciado quando a herança e doações foi abolida. “Reduzir impostos não é recolher menos. Não é uma experiência, mas sim temos uma verdadeira bancada de testes com medidas anteriores, com as quais alcançamos quase 300.000 contribuintes e mais 1.100 milhões. Maiores recursos que alocamos para melhorar os serviços públicos e o estado de bem-estar”, disse Moreno hoje em um evento com organizações empresariais em San Telmo.

Também evita voo de aluguel alto. Moreno voltou a citar o exemplo de 2019, onde metade dos 20 maiores contribuintes deixou de residir e pagar impostos na Andaluzia, a maioria destinada a Madrid. Com essa perda de 10 contribuintes, 3,5 milhões foram perdidos no Patrimônio e, pior ainda, 14 no Imposto de Renda Pessoa Física.

Impacto

No Executivo também são claros que eliminar o Patrimônio está tendo um impacto significativo na hora de posicionar Andaluzia como destino investimento.

“O original revolução é mentalidade. A Andaluzia lidera o debate sobre a redução de impostos. Quantas vezes a Andaluzia liderou um debate econômico? Quando você olhou cara a cara em comunidades como Madrid? Raramente ou nunca. É a Andaluzia líder, forte, orgulhosa, consciente das suas fraquezas mas também das suas possibilidades. Todo esse eco faz com que investidores, empresários, capitais nos notem, e isso é positivo. estamos sendo protagonistas das reformas que nosso país precisa”, disse Moreno aos representantes dos empresários andaluzes.

“Já somos o segunda comunidade com menos impostos, apenas Madrid está à frente. Há três anos e oito meses estávamos na parte média inferior. Muitos falaram de um inferno fiscal com argumentos e razões. Hoje somos os segundos. Aspiramos ser os primeiros, mas Madrid tem níveis de renda mais altos e está em uma situação muito diferente. Mas essa é a maneira de endireitar o curso da Andaluzia em termos económicos e sociais”, acrescentou.

Moreno também insistiu que defenderá “fortemente no tribunal” qualquer “interferência” na autonomia fiscal andaluza.

comentários7WhatsappFacebookFacebookTwitterTwitterLinkedInlinkedin

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.