Alemanha desencadeia contra Portugal | Campeonato Europeu de Futebol 2021

Havertz tenta tirar a bola de Cristiano Ronaldo.MATTHIAS SCHRADER (AFP)

A Alemanha fez as pazes após o mau começo, Portugal tropeçou após seu primeiro artilheiro no torneio e o grupo mais difícil do Campeonato Europeu é mesmo depois que os alemães derrotaram os portugueses, com a França liderando, um ponto acima de ambos. Até a Hungria tem opções para passar após o empate que arranhou o campeão mundial. Todos jogarão no último dia com a vantagem de serem os últimos a ir para a briga: saberão o que é preciso para passar como um dos dois primeiros ou dos quatro melhores terceiros dos seis grupos.

Portugal

dois

Rui Patrício, Nelson Semedo, Raphael Guerreiro, Rúben Dias, Pepe, Bruno Fernandes (Moutinho, min. 63), Danilo Pereira, William Carvalho (Rafa Silva, min. 57), Bernardo Silva (Renato Sanches, min. 45), Diogo Jota (André Silva, min. 82) e Cristiano

4

Alemanha

Neuer, Ginter, Hummels (Emre Can, min. 62), Rüdiger, Kroos, Gündogan (Niklas Süle, min. 72), Joshua Kimmich, Robin Gosens (Marcel Halstenberg, min. 61), Müller, Kai Havertz (Leon Goretzka, min. 72) e Gnabry (Sane, min. 87)

metas 1-0 min. 14: Cristão. 1-1 min. 34: Ruben Dias (pp). 1-2 minutos 38: Raphael Guerrero (pp). 1-3 min. 50: Kai Havertz. 1-4 min. 59: Robin Gosens. 2-4 min. 66: Diogo Jota.

Juiz anthony taylor

Cartões amarelos Kai Havertz (min. 65) e Ginter (min. 76)

Apesar das limitações que impediam o povoamento das bancadas, Portugal e Alemanha disputaram um jogo que tinha um aroma clássico que lhe deu grandeza. Foi dos equipamentos dos times, que baniu a uniformidade imposta pela televisão e pelo marketing, para resgatar suas cores de uma vida inteira. A Alemanha vestia camisa branca e short preto e estava mais germânica do que de costume nos últimos tempos. Durante uma hora tirou o martelo para transformar o jogo num inferno para o rival, deu ritmo e ritmo à bola, pressionou, pressionou, cruzou e finalizou, subiu para as laterais, o que se tornou indiscutível referências de seu jogo ofensivo. O melhor deles, Gosens, cantou um gol logo que começou, um alerta de qual seria o desdobramento teutônico porque centralizou o zagueiro direito Ginter quase em uma posição extrema e finalizou o lateral-esquerdo na lateral outro flanco com uma alcaparra precisa. Mas Gnabry queria finalizar aquela bola partindo de uma posição ilegal e o gol não saiu no placar.

Mais Informações

Em qualquer caso, uma fervura foi gerada. A Alemanha começou solta, com três avançados (Havertz, Müller e Gnabry) indetectáveis ​​pela defesa portuguesa, onde Pepe e Rúben Dias se sentem à vontade quando gozam de uma referência. Aconteceu que o trio não apenas trocou de posição, mas ficou livre para atrasar sua posição e gerar superioridade em qualquer lugar do campo.

Portugal, que recuperou o calcinhas verdes e homenageou as cores do país, abriu o guarda-chuva. Não há Luso que saiba o que acontece quando a tarde vem tempestuosa, o vento te sacode e a chuva bate forte. A água te encharca. Assim terminou Portugal em Munique, molhado até às sobrancelhas por uma torrente de futebol. Era inútil para ele marcar na sua primeira chegada, engatar um daqueles chutes que realmente machucam porque dói perder quando você faz tudo para ganhar. A Alemanha, que parecia tão polida, ficou nua após um escanteio que Cristiano Ronaldo desviou com um cabeceamento em trabalho defensivo. O que aconteceu a seguir foi extraordinário e retrata a ferocidade de um titã. CR7 repeliu o cruzamento e rematou para a baliza contrária, enquanto Bernardo Silva atirou pelo flanco direito e rematou Diogo Jota pela esquerda. Desta vez, o atacante do Liverpool levantou a cabeça e encontrou uma locomotiva descendo a pista do meio. O mesmo cara de 36 anos que abriu o canto adversário chegou para empurrar o gol para o gol oposto. Tudo aconteceu em 14 segundos.

mudar em três minutos

O golpe teria derrubado uma equipe de coração fraco. Você pode pensar que esta é a Alemanha. Mistura renovação no plantel e fim de ciclo no banco com algum revés nos resultados. Mas sua rebelião adverte sobre sua pele. Não empalideceu, continuou o seu, turvou o meio-campo português, onde Bruno Fernandes não tocou na bola e o duplo pivot Danilo-Carvalho falhou e voltou a deixar dúvidas sobre a sua complementaridade. Havertz empatou em uma jogada que não exigiu construção excessiva, uma nova incursão de Gosens, que levou todos os adesivos de Semedo. E em três minutos o placar virou como uma meia com mais uma explosão de Gosens e um gol contra de Guerreiro.

Fernando Santos aproveitou o intervalo para procurar capas de chuva. Bernardo Silva ficou no banco e Renato Sanches saiu para tapar buracos na medula espinhal. Talvez o técnico tenha pensado que um pouco de músculo não era suficiente. Mas Gosens continuou com seus planos e com um cruzamento preciso para Havertz ele aumentou a vantagem no placar para dois gols, que eram três quando pouco antes da hora de jogo ele mesmo finalizou a quarta rede.

O 4-1 não significou o fim de Portugal, que teve a mesma grandeza na derrota que a Alemanha na vitória. O campeão mexeu, encurtou distâncias por meio de Diogo Jota com quase meia hora de jogo. Renato Sanches atirou na trave. Morreu de pé e na zona rival de Portugal e nessa atitude deu ainda mais brilho a um excelente jogo.

inscreva-se aqui à nossa newsletter especial sobre o Euro 2021

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *