Adrián Marín, na GOAL: “Em Portugal voltei a ser o jogador que sou”

Adrián Marín mostrou a sua melhor versão em Famalicão e consolidou-se como um dos melhores laterais-esquerdos do campeonato português numa época em que marcou quatro golos e duas assistências. Nota alta em termos pessoais e esportivos, pela estabilidade e desempenho contínuo. O murciano tem sido um desses espanhóis a dar a volta ao mundo esta época e faz o balanço na GOAL descobrindo as chaves de um futebol onde há sempre talentos emergentes, onde lutam três dos gigantes do futebol europeu: Porto, Benfica e Sporting.

Impressionante tudo o que viveu em Famalicão?

“A experiência foi maravilhosa. Quando pensamos em vir para cá, não esperávamos que fosse do jeito que aconteceu. Por tudo, tanto para o país quanto para o povo, para o próprio clube e todos os trabalhadores que tem , que são magníficos. Gostamos muito da experiência e estamos muito felizes.”

O que Portugal lhe deu?

“Muito… Para não dizer tudo, deu-me muitas coisas que há muito não experimentava e sentia. Nesse sentido, a verdade é que estamos muito agradecidos.”

Qual é a chave para o desempenho de Adrián Marín nesta temporada?

“São vários. Voltar a ter aquela confiança por parte da comissão técnica, do clube, dos meus companheiros. Sentir-se importante, ter de novo todos aqueles minutos contínuos de jogo que talvez não tivesse há muito tempo e recuperar todas aquelas sensações de novo, aquela confiança que temporadas atrás, talvez por falta de continuidade, eu não consegui ter. E então, eu também cheguei muito preparado mentalmente. Além disso, há o ritmo do jogo ; com base em recuperar esses minutos e recuperar essa confiança, mostrei novamente quem sou.”

Com que momento ou partida da temporada você fica?

“Eu poderia contar vários, mas vou manter meu primeiro gol contra o Tondela, na primeira rodada, significou meu primeiro gol no futebol profissional da primeira divisão. Muitos momentos bonitos estão passando pela minha cabeça agora. Eu também guardo a partida Estoril em casa, em que conseguimos a vitória e selamos a permanência matemática a dois jogos do fim; pude contribuir com um golo na vitória da equipa, o terceiro na minha conta pessoal, número que não esperava”.

O que significa a celebração do golo frente ao Belenenses?

“A comemoração contra o Belenenses é um pouco improvisada… Fiz vários gestos na câmera (sorrisos). O primeiro gesto é um ‘c’ para minha parceira (Claudia): esta temporada foi tão boa graças a ela, seu apoio e seu amor, seu espírito. Também no ano passado, em momentos difíceis, ela conseguiu me manter à tona e tirar o melhor de mim. Ela é uma das ‘culpadas’ de tudo isso… Não estou acostumado a marcar gols, mas comecei a fazer o ‘c’ e o formato do coração para ela e tenho mantido. O 4 é uma justificação pelos quatro gols que marquei e o gesto de colocar os dedos na têmpora é para uma série animada chamada Samurai Champloo, um amigo me recomendou e adorei. Sempre falamos em fazer esse gesto para a série. Sinto-me um pouco identificado com ele, com a história que conta; chega a dizer que, mesmo que você tenha um objetivo de longo prazo, o importante é aproveitar a jornada, apesar das adversidades, e as pessoas com quem você se cerca para percorrê-la. Estou cercado pelo melhor e estou curtindo muito a jornada, tanto no bom quanto no ruim. Veremos que destino nos espera, mas vamos lutar para torná-lo o mais bonito possível.”

O que mais te surpreendeu em Portugal?

“Esta é uma Liga que, quando você a vê da Espanha ou do exterior, não a leva em conta como uma das cinco principais europeias, mas me surpreendeu muito para o bem. Há muito talento aqui, há muita qualidade. É uma Liga muito, muito física e, no final, todos os jogadores são, em geral, talentosos e jovens que querem dar o salto na carreira. São jogadores com muita fome e muito determinado. É um campeonato muito complicado e competitivo”.

Você jogou tudo, fez números importantes, está competindo em alto nível… Você se vê pronto para dar outro salto na próxima temporada?

“Me vejo preparado. Acho que mostrei e estou mostrando. Nesta temporada, no final, consegui transmitir às pessoas que precisava de um ano com essa continuidade e com esses minutos para que o jogador que sou pode ser visto de novo. Acho que sempre estive preparado, talvez tenha sentido falta de fazer isso: fazer um ano inteiro, um ano de muitos jogos e muitos minutos, para poder recuperar todas essas sensações, todas essas ações do meu jogo “.

Qual jogador, rival ou companheiro de equipe, tem mais potencial para dar o salto na próxima temporada também?

“Companheiro, eu diria a você Simon Banzá: acho que ele teve um ano magnífico, muitos gols, acho que é um atacante muito, muito top, que poderia ter a oportunidade de dar o salto porque também está preparado para um grande clube. Tenho companheiros de equipe Eles trabalham muito bem. E acho que é inevitável chamar Toni Martínez, é uma pessoa com quem praticamente cresci, desde quando ele estava no Valencia e eu no Villarreal. juntos na selecção espanhola e na selecção nacional. Valenciana. Lembro-me dele com carinho porque também jogou pelo Famalicão há algumas temporadas e também teve um grande ano; agora está no Porto e desejo-lhe o melhor e espero pode voltar a ser o protagonista e marcar muitos golos como nos habituou”.

Como experimentou aqueles grandes jogos contra o Porto, Benfica, Sporting ou Braga, essa oportunidade de se comparar com todas aquelas equipas que mostraram um nível importante na Europa.

“Com o Benfica, por exemplo, perdemos em casa de forma confortável e conseguimos um empate valioso na Luz. Nos dois jogos competimos muito bem por fases… Senti-me muito bem, além do resultado. O jogo acabou e cheguei em casa pensando que eles conseguiram competir contra um grupo que tem feito um grande futebol na Liga dos Campeões e que está entre os melhores do País. É um time que domina, que tem uma qualidade muito alta e Senti que competi um a um com eles me deram aquela sensação de estar no nível e acabei muito feliz”.

Surpreendeu-te que o Benfica tenha deixado o Barça fora da Liga dos Campeões?

“As seleções portuguesas e a competição não são levadas em consideração, mas quando você joga contra eles percebe que eles estão empatados. O Porto teve um grupo muito difícil na Liga dos Campeões, mas eles poderiam ter avançado, mostraram isso contra a Lazio em A Liga Europa, por exemplo. Juntamente com o Sporting são três equipas de muito alto nível.”

Encoraja outros jovens a experimentar em ligas como a portuguesa para crescer?

O artigo segue abaixo

“Claro que incentivo outros jovens a virem para o futebol português, tanto pelo campeonato como pela filosofia do futebol. Eles dão muitas oportunidades aos jovens e é uma liga ideal e perfeita para ter esses minutos, para amadurecer como jogador, tentar crescer e mostrar ao mundo o seu jogo. Surpreendeu-me para sempre, adorámos Portugal e adorámos o campeonato”.

Onde se vê a chegar depois deste trampolim de Portugal?

“O importante é a mentalidade, ganhei experiência, confiança e muita determinação. Me sinto pronto para competir em qualquer lugar e enfrentar qualquer desafio.”

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.