Adán cobre tudo: Sporting Lisboa coloca lápide e elimina Arsenal da Liga Europa num grande jogo | Futebol

A seleção portuguesa, tendo Antonio Adán e Pedro Gonçalves como protagonistas, eliminou o Arsenal de Mikel Arteta da Liga Europa num jogo que teve de tudo: lesões, golos e ainda mais, bom futebol.

Com uma festa colossal de Antônio Adão, decisivo na disputa de pênaltis e também durante a partida, graças a três incríveis defesas; e por outro lado, ele agraciou o grande gol do meio-campo de Pedro Gonçalvesadornou uma façanha épica de lisboa desportivaequipe que lapidou a aventura de Arsenal na Liga Europa para se classificar para as quartas de final da competição.

Desde o início, o duelo entre ingleses e portugueses foi imperdível no Emirates Stadium. Na primeira mão (2-2) já se viam vestígios de bom futebol; e na segunda mão, ambas as equipas deram o seu melhor para sair de um dos melhores jogos da competição até ao momento.

Antonio Adán, guarda-redes do Sporting, mostrou estar no melhor momento da sua carreira aos 34 anos, depois de fazer várias intervenções chave ser o herói da noite em Londres.

Com seu onze mais focado na Liga Europa, (com Takehiro Tomiyasu, Nelson Reiss, Jorginho e Fabio Vieira), o Arsenal encarou o desafio de eliminar um time combativo que em Portugal provou ter argumentos de sobra para derrubar o time. artilheiro’.

O Arsenal, após entrar em campo, talvez cansado de seus esforços para se manter na liderança do Campeonato Inglês, conseguiu chegar à liderança graças a Granit Xhaka, que aproveitou um rebote aos vinte minutos para marcar com um chute de dentro da área. .

Antes, Francisco Trincão deu o primeiro aviso para o Sporting e Tomiyasu e Saliba lesionaram-se. Arteta viu-se obrigado a reconstruir a sua defesa (entraram Branco e Holding) e, apesar do revés, conseguiu obter um rendimento maior para enfrentar a segunda parte com maior tranquilidade.

No entanto, Antonio Adán ampliou sua figura com uma mão impressionante para Gabriel Jesús, que deixou seus companheiros vivos.

Então, Rubén Amorim sentiu o cheiro do sangue e decidiu não se esconder. Empurrou todas as suas linhas para a frente, ordenou uma pressão sufocante em todo o campo e o Sporting tornou-se um osso duro de roer ao longo da segunda parte. O Arsenal caiu subitamente de joelhos e não conseguiu reagir a uma avalanche que ganhou o seu prémio com uma obra de arte de Pedro Gonçalves.

O médio do Sporting reservou para si um lugar entre os candidatos ao próximo prémio Puskás de melhor golo do ano para a próxima época. Aos 62 minutos, parou o tempo no Emirates Stadium com um golaço que até deixou muitos torcedores do Arsenal sem palavras.

Com um remate milimétrico quase ao centro do campo, Gonçalves surpreendeu Aaron Ramsdale, que não conseguiu sequer tocar na bola. A estética do remate, a limpeza com que passou pelo guarda-redes do Arsenal e até o som da bola ao bater na baliza surpreenderam todos os amantes do futebol.

O golo de Pedro Gonçalves deixou os companheiros a querer mais. Eles tinham a sensação de que poderiam colocar as mãos no Arsenal e estavam a um passo de conseguir. E foi Marcus Edwards quem conseguiu finalizar o trabalho com um um contra um muito claro contra Ramsdale, que limpou com a cabeça uma ocasião que teria evitado a prorrogação.

Antonio Adán reapareceu nele. O goleiro do Real Madrid se tornou o pesadelo do Arsenal. Primeiro, no um a um contra Leandro Trossard e, depois, em um trecho a uma cabeçada de Gabriel. Ambas as intervenções salvaram o Sporting e mandaram o empate para a definição de grandes penalidades.

Nessa instância, Antonio Adán acabou se tornando o pior vilão dos últimos tempos em Londres e adivinhou o chute de Martinelli para dizer que o Sporting lisboeta, com seu goleiro e golaço de Gonçalves, viveu uma noite mágica ao eliminar o Arsenal na Liga Europa.

Miranda Pearson

"Organizador. Introvertido. Fanático certificado pela internet. Beeraholic. Fã de álcool irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *