A tradição de Portugal e Uruguai face ao exotismo da Coreia e do Gana | Esportes

A tradição e o potencial de Portugal e Uruguai, abrigados em ambos os casos por gerações talentosas que dão firmeza ao seu projeto, coincidem na fase inicial do Qatar 2022, no Grupo H que partilham com o exotismo da República da Coreia e do Gana , inicialmente animadores secundários no evento.

Os portugueses e uruguaios tiveram que acelerar em suas respectivas fases de classificação para não perder o evento da Copa do Mundo. A equipa portuguesa liderada por Fernando Santos nos playoffs, mais uma vez. Uruguai em uma sequência de vitórias com Diego Alonso no comando após a demissão do lendário Oscar Washington Tabárez, que foi demitido em novembro passado. A tempo do céu azul levar o barco para a Copa do Mundo.

O último Mundial de Cristiano Ronaldo depara-se, à partida, com um quarteto já sabiamente vencido na fase final. Grandes nomes vão coincidir no gramado dos estádios de Doha. João Félix, Diogo Jota, Otávio, Bernardo Silva, Bruno Fernandes, Pepe ou Gonçalo Guedes, entre muitos outros, ilustram o talento e a qualidade de Portugal que encara a sua oitava presença neste tipo de eventos, a sexta consecutiva.

Com Cristiano agarrado a uma liderança que é abordada por jogadores talentosos em plena maturidade, referências nos seus clubes, a equipa de Fernando Santos pretende estabelecer definitivamente a qualidade da sua ninhada num Mundial.

Portugal brilhou no Europeu de 2016, mas nunca se destacou num grande torneio. O terceiro lugar alcançado na Inglaterra 1966 foi o seu melhor desempenho. Quarto lugar na Alemanha 2006 o mais brilhante dos últimos tempos.

Portugal já sabe o que é jogar com as restantes componentes do seu grupo. Contra o Uruguai, na Rússia 2018, perdeu por 2 a 1 em busca das quartas de final. Ele também caiu contra a Coréia na Copa do Mundo onde foi organizador, em 2002. Ele conseguiu vencer Gana no Brasil 2014, na fase de grupos.

Portugal começa como favorito apesar das dificuldades para se firmar na fase final do Catar. Embora o Uruguai esteja à espreita. A seleção sul-americana que deu um passo à frente nos últimos tempos é mais do que uma alternativa. Desde a chegada ao banco de Diego Alonso.

Será também o último comboio de figuras ilustres como Luis Suárez ou Edinson Cavani, que aproximaram a sua equipa das alturas do Mundial. O veterano é oxigenado pelo ímpeto de outros como Federico Valverde, Ronald Araújo ou José María Giménez, assim como os jogadores do Getafe Mathias Olivera ou Damián Suárez.

A celeste que se orgulha de duas taças, as conquistadas em 1930 e 1950, não terminou de alcançar os sucessos de outrora. O Uruguai acumula quatorze jogos nas fases finais. Ele é um regular. Ele tem quatro seguidos. Na Rússia 2018, a última, chegou às quartas de final. Ele ainda se lembra, no entanto, da atuação na África do Sul 2010, na última vez em que foi semifinalista.

A seleção uruguaia que venceu a Coreia duas vezes busca a classificação. Na fase de grupos da Itália 1990 e na segunda rodada da África do Sul 2010.

Gana e Coréia dotam o quarteto de exotismo. A seleção africana comandada por Otto Addo não brilhou na última Copa da África, mas conquistou o direito de disputar sua quinta Copa do Mundo e voltar à elite.

A seleção de Gana, regular da Alemanha 2006 ao Brasil 2014, incluindo a África do Sul 2010, perdeu a Rússia 2018. As “Estrelas Negras” voltaram, com jogadores em algumas das principais ligas. O meio-campista Iddrisu Baba, do Mallorca, o ex-atlético Thomas Partey, do Arsenal, Daniel Amartey, do Leicester e Jordan Ayew, do Crystal Palace, na Premier League, Kamaldeen Sulemana, do Rennes e Alexnader Djiku, do Strasbourg na Ligue 1 Mohammed Kudus , do Ajax.

Gana aspira a surpreender e superar a fase de grupos onde ficou parado há oito anos e igualar seu melhor recorde, o oitavo alcançado na Alemanha 2006.

A seleção de Gana nunca jogou contra a Coreia do Sul, que completa o quarteto. Dirigido pelo português Paulo Bento, encara a sua décima primeira presença num mundial, a décima consecutiva.

O representante do leste não falha desde o México 1986, embora geralmente fique parado na fase de grupos. A seleção sul-coreana brilhou em 2002, quando sediou ao lado do Japão. Ele terminou em quarto lugar. Desde então, apenas as oitavas de final na África do Sul 2010. Ele não costuma progredir.

O meio-campista do Mallorca, Kang-in Lee, é um de seus pilares junto com outros que já fazem parte das Ligas Europeias, especialmente na Alemanha.

A seleção coreana jogará o primeiro dia contra o Uruguai, enquanto Portugal enfrentará Gana.

O destino das eliminatórias do Grupo H se choca nas oitavas de final com as do Grupo G que compõem Brasil, Sérvia, Suíça e Camarões.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.