A população de linces se multiplica por quinze em apenas duas décadas

Um lince ibérico repousa sobre uma rocha. / CR

Os 1.400 exemplares que percorrem Espanha e Portugal mantêm o felino da extinção e confirmam o sucesso de um resgate em que instituições e naturalistas uniram forças

Afonso Torres

A população de linces na Península Ibérica aumentou quinze vezes em apenas duas décadas. Já são quase 1.400 exemplares deste felino nativo que vagueiam livremente pelos prados, sapais e colinas da Andaluzia, Extremadura e Castilla-La Mancha e sul de Portugal.

A figura significa três coisas e todas as três são positivas. Que o lince começa finalmente a escapar às garras da extinção, que se nada correr mal dentro de alguns anos será uma espécie consolidada no seu habitat natural e que a sua recuperação é fruto de uma bem sucedida operação científica em que, invulgarmente , todos, instituições e sociedade, têm remado fortemente e na mesma direção.

O censo anual do ‘lynx pardinus’ confirmou que no Natal passado 1.365 exemplares percorriam a península, incluindo 277 fêmeas com capacidade reprodutiva, 1.156 na metade sul de Espanha e 209 no sudeste de Portugal.

O resultado da contagem marca mais um recorde de linces em liberdade já que existem dados confiáveis, entre outras coisas graças ao nascimento de 500 filhotes em doze meses. O ano passado foi o terceiro ano consecutivo em que a população desses gatos selvagens aumentou mais de 20% ao ano. Quase um milagre se você levar em conta que apenas 20 anos se passaram desde que, em 2002, todos os alarmes dispararam quando os técnicos confirmaram que toda a colônia de linces hispânicos era composta por 94 exemplares cujo habitat havia sido reduzido a dois territórios mínimos em Doñana e nas montanhas Andújar de Jaén. Eles estavam literalmente a um passo da extinção.

Até 2040 espera-se que a península tenha entre 3.000 e 3.500 desses predadores, com 750 fêmeas reprodutivas, com as quais a espécie pode ser considerada segura

Foi o ano em que, primeiro com objetivos muito modestos, que cresceram em ambição ao longo do tempo, o Ministério da Transição Ecológica, os governos andaluz, Extremadura, La Mancha e português, os naturalistas do WWF e a União Europeia juntaram forças e recursos, esquecendo cores e vantagens políticas. O esforço conjunto permitiu a criação de quatro centros de reprodução em cativeiro e a implementação de uma estratégia muito estudada e controlada para garantir que a posterior reintrodução destes jovens na natureza fosse um sucesso. Nesta paciente tarefa, técnicos e dirigentes políticos contaram também com a colaboração de várias centenas de proprietários de quintas e associações de caçadores. O programa de resgate do lince espanhol é considerado um sucesso global na recuperação de felinos.

O triunfo colectivo não está apenas na recuperação da população de linces, mas também no facto de os exemplares livres terem regressado a colonizar parte do seu habitat tradicional, composto, para além dos dois territórios onde se entrincheiraram como último fortaleza, nas duas vertentes da Serra Morena (Andaluza e La Mancha), os Montes de Toledo, o vale Extremadura de Matachel e o vale português do Guadiana. Andaluzia, com 519 animais, tem quase metade dos gatos livres, mas as pastagens de Castilla-La Mancha, com 473 exemplares, estão sendo repovoadas a uma velocidade vertiginosa, com um crescimento de 45% só em 2021. Existem 13 núcleos populacionais documentados, doze em Espanha e um no país vizinho.

Luz no fim do túnel

Apesar das boas notícias, instituições e naturalistas pedem cautela. O lince abandonou a situação de risco crítico que experimentou com o passar do século, mas ainda está dentro dos parâmetros de perigo de extinção. Os dados animadores para 2021, no entanto, confirmam que a luz já é visível no fim do túnel. Um estudo de viabilidade populacional recentemente divulgado pelo WWF calcula onde se localizará o ponto de virada que permitirá garantir a sobrevivência desta espécie com segurança.

Os seus técnicos estimam que o “evento histórico” será alcançado em cerca de 18 anos, quando, graças ao sucesso e continuidade dos programas de recuperação, os exemplares actuais terão multiplicado por dois e meio ou três. Haverá entre 3.000 e 3.500 linces em estado selvagem em Espanha e Portugal e pelo menos 750 deles serão fêmeas com capacidade reprodutiva. Se esses cálculos se confirmarem e se enfrentarem os principais inimigos que colocam os felinos em risco -os abusos e a caça furtiva com balas, veneno ou laço-, por volta de 2040 será alcançado o que se chama oficialmente de Status de Conservação Favorável (ECF). da espécie. Pode ser considerado fora de perigo.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.