a partir de junho de 2023 e sem cobrar menos


Depois da Islândia e do Reino Unido, Portugal tem sido incentivado a experimentar o evento de quatro dias. O país ibérico vai começar com um projeto-piloto no setor privado e depois será alargado às administrações públicas.

Especificamente, todas as empresas que desejam se inscrever iniciarão o projeto. A participação é voluntária, uma vez que o Governo não oferece qualquer compensação económica ou subsídio. Dos empregadores acreditam que existem empresas relacionadas a “tecnologia, cultura, criatividade, publicidade” que poderiam tentar o dia, mas que seria muito complicado em outros, como atendimento ao cliente.

A linha vermelha para os sindicatos não era cobrar menos. E assim será: não haverá redução de salário apesar de trabalhar um dia a menos. Eles trabalharão 4 dias, mas o salário a receber será o mesmo do que quando cinco o fizeram.

Embora seja verdade que em algumas empresas serão trabalhadas mais horas a cada dia. Será um acordo entre empregadores e trabalhadores. Por agora, um número específico de horas não foi estipulado: a jornada de trabalho semanal pode ser de 32, 34 ou 36 horas.

No setor privado, o teste piloto terá início em junho de 2023 e terá duração de seis meses. As empresas que quiserem fazer isso têm até janeiro para se inscrever. Depois, em uma segunda fase, será a vez do setor público, nas gestões que está previsto para ser lançado em 2024. Além disso, haverá uma terceira rodada para comparar empresas com jornada de quatro dias com outras que mantiveram o calendário de segunda a sexta-feira. No total, 60 empresas escolhidas aleatoriamente pela Administração que receberão subsídios de dinheiro público.

Os empregadores portugueses não receberam com bons olhos a notícia. O setor privado já manifestou seu descontentamento e diz se sentir incomodado e inseguro com a proposta após ter perdido fôlego com a pandemia. Por isso, e em meio à crise energética, consideram que não é hora de discutir a semana de trabalho de quatro dias.

Por enquanto, a experiência na Islândia e no Reino Unido é positiva. Ambos os países comprovam que a produtividade não foi perdida. Com efeito, no caso da Islândia concluiu-se que burnout e licença médica depois de colocar esse tipo de dia eles despencaram. A produtividade, longe de cair, aumentou. Algo que também aconteceu em muitas empresas no Reino Unido, onde 50% das empresas afirmam que sua produtividade aumentou.

Eloise Schuman

"Fã de café. Especialista em viagens freelance. Pensador orgulhoso. Criador profissional. Organizador certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *