A ONU pede taxar os benefícios “imorais” da energia




O secretário-geral da ONU, António Guterres, considerou esta quarta-feira que é “imoral” que as empresas de petróleo e gás se registem Lucros recordes em meio à crise de energia em curso e instou todos os governos a tributar seus “lucros excedentes”.

“É ganância grotesca está a castigar as pessoas mais pobres e vulneráveis ​​ao mesmo tempo que destrói a nossa única casa”, disse Guterres em conferência de imprensa para apresentar o relatório da ONU sobre o impacto global da guerra na Ucrânia e que, nesta ocasião, incide sobretudo no domínio da energia .

O chefe das Nações Unidas pediu aos governos que tributem esses “lucros excedentes” e usar os rendimentos para “apoiar as pessoas mais vulneráveis nestes tempos difíceis.”

O político português lembrou que os lucros combinados das maiores empresas de energia a nível mundial se aproximaram no primeiro trimestre deste ano em 100.000 milhões de dólares e que o negócio deste setor tem um “custo massivo” em efeitos ambientais.

Recomenda um compromisso mais determinado com as energias renováveis

O documento apresentado na conferência de imprensa sublinha que o mundo está uma “grande crise energética”com países em todo o mundo afetados por preços de combustível altos e voláteis e um impacto particularmente severo nas nações em desenvolvimento e nas famílias mais vulneráveis.

Desta forma, a organização reivindicou mais uma vez um compromisso muito mais determinado com as energias renováveis, que “na maioria dos casos são mais baratos que os combustíveis fósseis”. Assim, na opinião de Guterres, é “difícil justificar” que os países desenvolvidos dêem subsídios universais ao gás ou à gasolina e que reabrem as usinas a carvão.

“Os governos devem expandir e diversificar as cadeias de fornecimento de matérias-primas e tecnologias de energia renovável”, insistiu. Nesse sentido, ela sublinhou que os países em desenvolvimento têm todas as razões para investir em energias renováveis, mas carecem de recursos, enquanto as nações mais ricas os pressionam a fazer essa transição, mas não lhes dão apoio técnico e financeiro suficiente.

Aconselha limitar o ar condicionado e aquecimento

Diante de toda essa situação, as Nações Unidas também pediram medidas imediatas de economia de energia, incluindo um uso mais limitado de ar condicionado e aquecimento ou mudanças no transporte. “Conservar energia, promover o transporte público e soluções baseadas na natureza é essencial”, disse Guterres.

Como lembra a ONU, aquecimento representou 50% do consumo final em 2021 de energia a nível global, pelo que estas medidas podem ter um enorme impacto. Quanto ao ar condicionado, o documento indica que uma diferença de um grau centígrado pode reduzir em 10% o consumo de um aparelho.

Além disso, a ONU está empenhada em acções no domínio dos transportes como limites de velocidade reduzidos, incentivos ao uso de transporte público e veículos compartilhados, limitando viagens de negócios quando houver outras alternativas ou dando prioridade aos trens sobre os aviões quando possível.

Essas medidas começam a ser aplicadas justamente na União Européia, onde os Vinte e sete chegaram a um acordo para reduzir o consumo de energia em 15% em geral, e em 7% para as chamadas ‘ilhas de energia’.

É o caso da Espanha, que na segunda-feira ele apresentou seu plano de energia que inclui tudo, desde limites de temperatura até desligar as luzes das vitrines e prédios públicos não utilizados. Por outro lado, países como Alemanha, França, Portugal ou Grécia também aderiram com medidas semelhantes.

Raven Carlson

"Viciado em bacon apaixonado. Ninja orgulhoso da cultura pop. Analista irritantemente humilde. Entusiasta de TV. Fã de viagens ao longo da vida."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.