A mais bela rainha da Espanha

Teve e mantém a verdadeira fama de ter sido a mais bela rainha, e no caso dela também imperatriz, que a Espanha já teve. Ela era portuguesa de nascimento, de ascendência espanhola, sim, seu nome era Isabel. Como sua avó, ela era neta da rainha de Castela e do rei de Aragão, ambos católicos e como tal para sempre apelidados.

Ambos avós de seu augusto marido, Carlos I e V ao mesmo tempo, ou seja, ela era sua prima em primeiro grau. O costume que era regra de fé e cumprimento obrigatório na Casa da Áustria e que acabou trazendo-lhes problemas gravíssimos ao longo do tempo. E não apenas ter uma mandíbula proeminente, mas defeitos muito piores.

A beleza de Isabel de Portugal, filha do rei Manuel I e ​​de Maria de Aragão, filha daqueles considerados os primeiros reis da Espanha unificada por eles, tem sido prova irrefutável nas telas e nas crônicas. A maravilhosa pintura de Ticiano e não muito atrás da de Leoni continua despertando admiração hoje e não apenas pela maestria do pintor. Embora como sempre tenha que haver uma grande bagunça, diz-se que o mestre italiano, por ordem do imperador, retocou levemente o nariz. Ele o tinha como aparece na pintura ou levemente aquilino como a fofoca queria espalhar, que era uma beleza impressionante e serena que ninguém pode negar.

Retrato da imperatriz espanhola pintado por Ticiano que está no Museu do Prado. – Foto: Picasa

Mas ela não era apenas bonita e gentil, a rainha Elizabeth. Ela era uma rainha informada, prudente e eficaz e agiu com muito sucesso como tal. Há até quem ressalte que ela salvou o marido de muitos, sustentou sua imagem e coroa em tempos difíceis e realmente o transformou em um monarca espanhol, algo que a princípio seus súditos não viram, e com razão. que lhe causava fortes aborrecimentos. Por exemplo, com os plebeus. Até que ela corrigiu o curso e endireitou o passo. E nessa Isabel, que da avó herdou coragem, inteligência e saber enfrentar com energia e habilidade as situações mais difíceis, teve muito a ver com isso.

Porque Isabel de Portugal foi uma rainha que reinou de verdade. Nos 13 anos de seu casamento com Carlos, ocorrido nos Reales Alcázares de Sevilha em 11 de março de 1526, quando a noiva tinha 22 anos e o noivo já tinha 26, César teve que ir daqui para lá por todo o império e as possessões espanholas e as guerras na Europa e no Norte de África e foi Isabel quem, durante as suas longas ausências da Península, mais longas do que as suas estadias, tomou as rédeas e segurou-as e guiou-as com firmeza. Historiadores afirmam que seus sucessivos governos, anos 1529-1532, 1535-1536 e 1538-1539, não só foram benéficos, mas também permitiram que a Espanha ficasse um pouco mais afastada do Sacro Império Romano, que mais do que tudo dava muitas dores de cabeça . e ainda mais prejuízo fiscal.

Mas não pense que o casamento teve um começo fácil, apesar de a infanta portuguesa, sob os auspícios de sua mãe e talvez por influência de sua avó, quase entender que ela estava predestinada a ele. E que ela gostou muito da ideia, também.

Estátua do monarca em uma praça em Albacete. Estátua do monarca em uma praça em Albacete.

A aliança com Portugal sempre foi um objetivo essencial da rainha católica, que casou seu filho mais velho Juan com uma infanta também portuguesa e que, se seguirmos a história da lenda, seu amor ardente a fez sucumbir. Falhou esse vínculo não desistiu, e o rei Manuel I acabou por ser o marido, um após o outro, de três infantas espanholas, as duas primeiras, incluindo Maria, a mãe da falecida imperatriz, Maria, suas filhas e a terceira, Leonor, neta e irmã de quem mais tarde seria seu marido, Carlos V. Uma bagunça, vamos lá. Mas era algo muito normal aparentemente e naquela época do reinado que seu pai era casado com a irmã de seu marido. Que eu já estraguei tudo e acho que você também.

No entanto, apesar das intenções castelhanas e do interessado, a princípio as coisas correram mal. Os conselheiros flamengos tiveram mais influência, mão e foram mais ouvidos pelo jovem Carlos. Afinal, não era exatamente a língua espanhola que ele conhecia melhor. E estes preferiram uma aliança com a Inglaterra, embora os castelhanos e suas cortes e comunidades rebeldes fossem ferrenhos partidários dos portugueses. Que era Portugal por uma razão, cuja frota era a única que podia competir com a castelhana no Atlântico e no Ultramar, o reino mais rico da cristandade, senhores da Rota das Especiarias, a mostarda valia mais do que o ouro, e os melhores aliados que poderia ter contra os berberes. Os flamencos foram impostos embora tivessem que respeitar os desejos dos nativos. Assim, o já idoso rei Manuel e o seu filho casaram-se com duas irmãs de Carlos, a mais velha e já mencionada Leonor com o pai e ficou acordado que a filha mais nova e póstuma de Felipe el Hermoso, Catalina, casaria com o seu herdeiro, o então rei português João III. Mas a portuguesa Isabel foi desprezada por Carlos e foi-lhe atribuída outra prima, também neta dos reis católicos, mas esta inglesa, Maria Tudor, filha de Henrique VIII e Catarina de Aragão, na altura apenas uma menina, porque lhe convinha os flamengos mais para tentar romper a aliança da França com a Inglaterra.

A primeira parte do acordo se concretizou e a cama, mas a segunda parte, que também incomodou bastante os portugueses e dizem isso ainda mais ao descartado, e felizmente pelo que aconteceu depois, foi frustrada. Embora eles percebam que no final María Tudor se casaria com um espanhol muitos anos depois e seria a primeira esposa, então ela era bastante velha, do jovem príncipe e filho mais velho de Carlos e Isabel, Felipe II. Que coisas e reviravoltas dá, tem e torce a história!.

Um casamento político e por amor

Antes, é claro, e para que Isabel tivesse uma nova oportunidade, seu pai, Dom Manuel, teve que morrer em 1521 e seu filho, Juan III, subiu ao trono e o casamento com sua irmã aconteceu no ano seguinte. A menor de Carlos, Catalina e depois sim, a influência flamenga perdeu bastante, os desejos castelhanos, deixando para trás a guerra comunal, prevaleceram e o casamento do já imperador Carlos V e da bela Isabel de Portugal começou a ser preparado e finalmente celebrado, depois de concordar em 1525, no ano seguinte em território espanhol.

O grande acontecimento aconteceu em Sevilha, então a cidade mais próspera, e não é um exagero de todo o mundo, pois o fato de que as frotas das Índias tiveram que partir e chegar lá o tornou o lugar para estar. que todos que buscavam fama, glória, negócios, dinheiro e poder tinham que ir.

Foi um casamento por interesse, política e conveniência. Os acordos econômicos muito importantes. A noiva, que era rica em dinheiro, contribuía com 900.000 ouros duplos, enquanto o noivo, rico em território e poder, dava aluguéis de cidades, incluindo Albacete e Alcaraz e uma quantia em ouro três vezes menor, 300.000 Vocês duplos, depois de ter hipotecar nada menos que três cidades das cidades mais importantes de Jaén: Úbeda, Baeza e Andújar. Mas também acabou por ser um casamento e casamento de amor e por amor, que trouxe tanto felicidade, primeiros herdeiros do reino, o melhor da companhia quando puderam estar juntos e o melhor apoio para o governo da Espanha quando o rei teve que ir embora.

Carlos teve alguns namoros e vários filhos durante sua vida de solteiro e os teve novamente na viuvez, mas manteve uma grande lealdade à esposa por quem sempre e para sempre se apaixonou. Não quis casar depois da morte dela e isso ficou tão marcante na sua memória que depois de ter caído inicialmente numa depressão profunda da qual conseguiu recuperar, a melancolia da sua ausência não deixou de o assaltar e é sabido que em seu último retiro em Yuste, a pintura que sempre esteve à sua vista e diante de seus olhos quando a morte veio sobre ele, foi o mais belo retrato de Elizabeth.

O casamento não poderia ter começado melhor. Após o casamento, o casal percorreu longamente a Andaluzia, fixando-se finalmente na Alhambra de Granada, que a Grande Tendilla comandava com mão firme e sábia, pela qual a Imperatriz se apaixonou e onde ficaram vários meses e à qual eles gostaram muito de voltar. .

Ela era uma rainha fértil, algo que era tido em alta estima por ser a missão transcendental e primeira de uma rainha.

Em seus treze anos de casamento teve cinco filhos, embora o único homem a sobreviver à infância tenha sido o mais velho, Felipe II e dois abortos, o segundo dos quais, ocorrido no Palácio de Fuensalida em Toledo, ela não conseguiu sobreviver.

A prostração de Carlos foi tal que, depois de se retirar para um mosteiro angustiado, confiou a seu filho, Felipe, ainda criança, a condução do cortejo fúnebre que levaria seus restos mortais a Granada, onde ele havia escolhido ser enterrado com segurança, e além a outras coisas, à recordação daqueles tempos felizes dos primeiros dias de casada, com quem queria casar desde criança e a quem, uma vez casada, amou com devoção, dedicação e lealdade. O cortejo fúnebre foi conduzido por um nobre fidalgo da Corte, Francisco de Borja, jovem duque de Gandía, casado com Leonor de Castro, também portuguesa e amiga íntima da Imperatriz, embora alguns digam que ele estava platonicamente apaixonado por ela. .

Ao chegar ao destino e sendo obrigatório e assim reclamado pelos Monteros de Espinosa que guardaram o caixão sem deixar a sua vigilância por um instante e o corpo parecia muito decomposto devido ao tempo decorrido e ao elevado calor da viagem, ele jurou que «Não, voltaria a servir um cavalheiro que pudesse morrer por mim». Ele cumpriu. Quando sua própria esposa, Leonor, morreu pouco tempo depois, ele pegou as vestes, entrou na recém-criada, por Inácio de Loyola, companhia de Jesus e também se tornou como o basco elevado aos altares. São Francisco de Borja, é hoje. Até isso conseguiu, de certa forma, alcançar a bela e gentil Isabel.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *