a disputa entre agricultores espanhóis e Portugal sobre uma transferência

Vídeos EFE

Porto Rico pede aos EUA que declarem os danos do furacão Fiona um “grande desastre”

San Juan/Naranjito, 20 de setembro (EFE).- O governo de Porto Rico pediu nesta terça-feira aos Estados Unidos que declarem os danos causados ​​pelo furacão Fiona na ilha como um “grande desastre”, onde há inúmeros danos a casas e infraestrutura e grande parte da população ainda sem eletricidade ou água. Apenas cinco anos depois que o devastador furacão María passou pela ilha, que ainda não se recuperou dos estragos sofridos em 20 de setembro de 2017, a situação é novamente dramática para muitos porto-riquenhos. “Achei que ia perder minha casa”, disse à Agência Efe José Morales, morador da cidade de Naranjito, nas montanhas do centro de Porto Rico, cuja casa foi severamente danificada por um deslizamento de terra na encosta adjacente. Morales também temia que uma casa mais acima da encosta caísse em cima da sua. “Nunca tínhamos visto uma chuva tão forte assim, foi terrível”, lembrou ele com visível angústia. Para aliviar esta situação em breve, o governador Pedro Pierluisi informou que vai apresentar “um pedido de declaração de grande desastre” ao presidente dos EUA, Joe Biden, que prometeu dar prioridade ao assunto e que já aprovou uma declaração federal de emergência no domingo. ATIVAR A AJUDA ECONÔMICA Pierluisi explicou em entrevista coletiva que este pedido dá origem a ativar a ajuda econômica da Administração Federal de Gestão de Emergências (FEMA, em inglês) de assistência pública para oferecer serviços de emergência e empregos às vítimas. A FEMA também enviará centenas de tropas adicionais a Porto Rico para responder à emergência e sua administradora, Deanne Criswell, chegará à ilha hoje para avaliar e determinar os recursos necessários para apoiar sua recuperação. “Farei o que for necessário para que nos recuperemos o mais rápido possível”, assegurou o governador, que anunciou que o cálculo estimado dos danos poderá demorar uma semana. As mortes causadas pelo furacão também não foram determinadas, embora existam oito em avaliação entre diretas, provavelmente apenas um homem arrastado por um rio, e indiretas, por falta de atendimento médico ou por explosão de um gerador elétrico. Entre os danos visíveis deixados pelo furacão de categoria 1, que atingiu o sudoeste da ilha no último domingo, estão estradas intransitáveis, áreas inundadas, casas destruídas e postes de energia derrubados. Em uma das rodovias que ligam o município de Naranjito, vários trabalhadores trabalhavam neste dia para remover as últimas árvores e outros entulhos para abrir completamente os acessos à cidade. “O furacão Fiona afetou o município de Naranjito de várias maneiras, como deslizamentos de terra em estradas estaduais e municipais, que são as principais vias de acesso”, explicou o prefeito interino Rafael Rodríguez à Efe. O autarca indicou ainda que os rios La Plata e Guadiana transbordaram na zona urbana causando danos e inundações na cidade, onde várias casas foram soterradas pela lama e ainda não há serviço de electricidade e água. 80% de Porto Rico ainda está no escuro nesta terça-feira, segundo dados da empresa LUMA Energy, responsável pela transmissão e distribuição de eletricidade, que até agora restaurou o serviço a 300.000 clientes, de um total de mais de 1,4 milhões. RESTAURAR ELETRICIDADE E ÁGUA, UMA PRIORIDADE Abner Gómez, diretor de segurança pública da LUMA Energy, disse em entrevista coletiva que esse número pode aumentar nas próximas horas quando os helicópteros da empresa concluírem a inspeção das linhas de transmissão e distribuição da usina Costa Sur . Pierluisi assegurou ainda que entre esta terça e quarta-feira “uma grande parte da população terá eletricidade”, com exceção da zona sul e da zona montanhosa central, como Naranjito, onde, acrescentou, vai demorar “um pouco mais”. Por seu lado, a Autoridade de Aquedutos e Esgotos (AAA) estimou 55% dos assinantes que não têm abastecimento de água, num total de 693.963, o que representa uma ligeira melhoria face ao dia anterior. O diretor-executivo da AAA, Doriel Pagán, explicou que esse baixo número se deve ao fato de mais de 50% das barragens terem sido impactadas pelas fortes chuvas e de muitas usinas de filtragem estarem fora de operação por obstrução ou turbidez nas água bruta. . Apesar da precariedade da situação, a ideia é conseguir um retorno gradual à normalidade e os funcionários são chamados a retornar aos seus empregos amanhã. Para o reinício do ano letivo ainda não há data, pois a Secretaria de Educação está fiscalizando as escolas e ainda há 1.223 pessoas em 70 abrigos, a maioria instalados em centros educacionais. “Será um processo gradual. Se a escola tiver serviço de eletricidade e água e já estiver em boas condições, será inaugurada nos próximos dias”, disse Pierluisi. Os voos no Aeroporto Internacional Luis Muñoz Marín foram retomados 100% neste dia, quando o aeródromo espera atender aproximadamente 25.000 passageiros, enquanto todos os portos marítimos estão abertos ao comércio. Cidadãos como o vizinho de Naranjito Morales, que tem pela frente a árdua tarefa de reconstruir parte de sua casa e retirar os galhos das árvores e a lama que a cerca, demorarão mais para voltar à normalidade. Marina Villén e Esther Alaejos (c) Agencia EFE

Joseph Salvage

"Fanático hardcore de mídia social. Propenso a ataques de apatia. Criador. Pensador. Guru dedicado da web. Aficionado por cultura pop. Solucionador de problemas."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.