82% das empresas portuguesas mantêm-se em atividade | Economia

82% das empresas portuguesas mantêm-se em atividade, embora na restauração 55% dos negócios tenham encerrado temporariamente, segundo um inquérito excecional publicado pelo Banco de Portugal e pelo Instituto Nacional de Estatística, que mede semanalmente o impacto econômico das medidas tomadas pelo Governo para conter a epidemia de coronavírus.

Ao contrário de outros países, o estado de alerta decretado em Portugal a 13 de março e posteriormente o estado de emergência (21 de março) não obrigou ao encerramento de empresas, nem mesmo de restaurantes se fossem dedicados a Leve embora ou a encomendas ao domicílio. Ainda assim, a atividade empresarial e industrial sofreu muito durante a epidemia, já que 37% dos inquiridos reconhecem que, na primeira semana de abril, a faturação caiu 50% e 26% dos empregadores dizem trabalhar com menos de metade dos seus trabalhadores. funcionários. “A economia do país está quase parada”, reconheceu o ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo, Mário Centeno.

Entre as medidas econômicas adotadas pelo Governo está um sistema expresso de ERTE que já atinge quase um milhão de trabalhadores. O fechamento trimestral de junho deve ser o pior da história. Centeno anuncia que a queda trimestral do PIB português será de 20%, quatro vezes pior do que o pior mês de 2012, pico da anterior crise financeira. O excedente de 0,2% previsto no orçamento de 2020 transformar-se-á num défice anual na ordem dos 3,5%, consoante a duração do estado de emergência. Segundo suas contas, a cada 30 dias úteis de paralisação da atividade, o PIB anual cai 6,5%. Desde o estado de alerta inicial, 23 dias foram contados.

No questionário do Banco de Portugal, 2% das empresas já anunciam o encerramento definitivo. Segundo o órgão público, a crise está afetando especialmente os setores de turismo e restauração. 7% das empresas fecharam definitivamente e 90% recorreram à Erte para os seus colaboradores. Quanto menor a empresa, maior a incidência de fechamento definitivo, segundo levantamento das duas entidades. As microempresas calcularam reduções de 75% em seu faturamento.

Por outro lado, 91% das construtoras e imobiliárias, 90% das empresas de comunicação, 86% das transportadoras e armazéns e 84% do comércio continuam em atividade.

Relativamente ao impacto no emprego, 61% das empresas reduziram o quadro de pessoal e 38% reconhecem que não houve alterações. Segundo o FMI, O desemprego em Portugal vai triplicar no final do ano (antes da crise estava perto dos 6,5%), e o seu PIB vai cair 8%, perspetivas mais negativas do que as previstas por Centeno. Segundo o ministro das Finanças, Portugal vai recuperar os valores de antes da crise no final de 2022.

O primeiro-ministro, António Costa, já anunciou que o levantamento das atuais restrições será gradual e progressivo, mas nunca à custa de colocar em risco a saúde das pessoas com risco de novo surto da epidemia e nunca antes de maio. .

O PAÍS da manhã

Acorde com a análise do dia por Berna González Harbor

RECEBA-O

Cadastre-se gratuitamente para continuar lendo

Raven Carlson

"Viciado em bacon apaixonado. Ninja orgulhoso da cultura pop. Analista irritantemente humilde. Entusiasta de TV. Fã de viagens ao longo da vida."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *